the ultimate jazz archive: vocalists 40

posts relacionados
the ultimate jazz archive: blues

the ultimate jazz archive: boogie woogie
the ultimate jazz archive: swing to bebop, modern jazz
the ultimate jazz archive: big bands
the ultimate jazz archive: vocalists


anita o'day

Anita O'Day (18 de Outubro de 1919 - Los Angeles, 23 de Novembro de 2006), pseudônimo de Anita Belle Colton, devido a ter problemas com o uso de drogas (heroína) e álcool, era também conhecida por Jezebel do Jazz. Anita foi uma das vozes mais respeitadas do jazz nas décadas de 40 e 50 com suas interpretações de canções como ‘Honeysuckle Rose’ e ‘Sweet Georgia Brown’. De origem humilde, sua paixão pela música surgiu dos discos de Mildred Bailey e Billie Holiday. No início de sua carreira foi rejeitada pelo clarinetista Benny Goodman, que não a quis em sua orquestra, preferindo Peggy Lee. Sua oportunidade chegou quando foi contratada pelo baterista Gene Krupa como vocalista de sua orquestra em 1941. Naquele mesmo ano, a canção ‘Let me off Uptown’ a levou ao estrelato. Seu trabalho com Gene Krupa lhe deu celebridade e fama, mas em 1943 a orquestra se dissolveu quando ele foi detido por posse de maconha. A cantora acabou indo para a orquestra de Stan Kenton. Com Krupa em liberdade, Anita O'Day voltou a trabalhar com ele em 1945. Depois de dois anos, deu início a carreira solo, na qual conseguiu gravar alguns discos para pequenas gravadoras. Após uma fase crítica, devido às drogas, Norman Granz a contratou em 1952 para seus selos, e com ele viveu a etapa mais frutífera de sua carreira. Seu grande sucesso ocorreu em 1957, quando gravou junto ao trio do pianista Oscar Peterson o álbum ‘Anita Sings the Most’, no qual demonstrou sua capacidade de improvisação. Em 1962 fez, com Krupa, o disco ‘Drummer man’ e se dedicou às atuações e às excursões por todo o mundo com seu trio. Ficou oito anos sem gravar, voltou em 1970, e gravou um disco ao vivo no Festival de Jazz de Berlim. O êxito do show ao vivo animou-a a gravar outros em Tóquio e em San Francisco. Seu último disco foi ‘Indescructible!', em 2006. Anita O'Day morreu aos 87 anos enquanto dormia em um hospital de West Hollywood devido a complicações provocadas por uma pneumonia.



billy eckstine

Billy Eckstine (08 de julho de 1914 - 08 de março de 1993) nascido William Clarence Eckstine, foi cantor e bandleader. Popularmente conhecido como Mr. B, também tocou trompete, trombone e guitarra. Depois de ter estudado na Howard University de Washington, trabalhou como cantor e diretor em vários clubes noturnos de Buffalo, Detroit e Chicago. Seu primeiro mestre de música, e talvez o único, foi Mauríce Grupp, que lhe deu aulas de trompete e alguns preciosos conselhos sobre a técnica de emissão de ar. Em 1939, Eckstine entrou para a orquestra de Earl Hines e logo se transformou na atração principal, por sua estranha maneira de se apresentar em cena e, principalmente, pelo estilo especial de cantar. Durante sua colaboração com Hines, Billy fez amizade com Dizzy Gillespie, Charlie Parker e Sarah Vaughan, que também faziam parte da orquestra. Em 1944 decidiu formar uma nova orquestra que reuniu grandes nomes da história do jazz: Dizzy Gillespie, Fats Navarro, Kenny Dorham, Miles Davis, Gene Ammons, Dexter Gordon, Wardeil Grey, Lucky Thompson, Chariie Parker, Sonny Stitt, Leo Parker e Art Blakey. As apresentações da orquestra eram concorridas, era um período de transição do jazz e novas idéias começavam a surgir. As gravações eram de pouco valor técnico, entretanto, com o tempo foram melhorando e os principais instrumentistas começaram a buscar carreira de solistas e por outro lado o período era de crise para as big bands. Assim, em 1947 a orquestra foi dissolvida e Eckstine se dedicou exclusivamente à atividade de vocalista, dirigindo seu repertório para o lado comercial, apesar de continuar sendo bem avaliado pelos críticos e, ocasionalmente, voltou às suas raízes no jazz, gravando com Vaughan, Count Basie e Quincy Jones. Realizou algumas excursões à Austrália e Europa e em 1966 participou de alguns shows nas orquestras de Maynard Ferguson e de Duke Ellington. Em 1974 voltou à Europa para uma série de concertos em memória a Charlie Parker. A sua aparência refinada tinha efeito sobre o trompetista Miles Davis que certa vez, quando se deparou com Eckstine desgrenhado nas profundezas de seu excesso de heroína, finalmente deixou o seu próprio vício.



peggy lee

Peggy Lee (Jamestown, 26 de maio de 1920 - Bel Air, Los Angeles, 21 de janeiro de 2002), nascida Norma Deloris Egstrom é citada como inspiração para vários artistas. Quem ouviu música de boa qualidade a partir dos anos 40, ouviu Peggy Lee. Descendente de noruegueses e suecos é reconhecidamente a mais sensual das vozes femininas do jazz tradicional e da música popular norte-americana e amplamente reconhecida como uma das mais importantes influências musicais do século 20. Leia +...



nat king cole

Nat King Cole (Montegomery, 17 de março de 1919 - Santa Mônica, 15 de fevereiro de 1965), nome artístico de Nathaniel Adams Coles, foi cantor, músico e pai da cantora Natalie Cole. O apelido de ‘King Cole’ veio de uma popular cantiga de roda inglesa conhecida como ‘Old King Cole’. Sua voz marcante imortalizou várias canções, algumas das quais nas línguas espanhola e portuguesa. Suas músicas românticas tinham um toque especial junto a sua voz associada ao piano, tornando-o assim um artista de grande sucesso. Sua então revolucionária formação no piano, guitarra e baixo tornou-se popular para trios de jazz e big bands. Desde criança esteve ligado à música, tocava piano junto ao coral da igreja onde seu pai era pastor. Aprendeu a tocar o instrumento com a sua mãe, a única professora de piano que Nat teve em toda sua vida, que também tocava orgão na igreja. Aprendeu tanto jazz como música gospel, sem esquecer a música clássica. Seu primeiro sucesso como cantor foi a gravação ‘Straighten Up and Fly Right’ de 1943, baseada num conto popular negro que seu pai havia usado como tema para um sermão. Em 1956, 'The Nat King Cole Show' estreou na NBC-TV. Foi o primeiro programa deste tipo comandado por um afro-americano, causando controvérsia na época. Ficou no ar por um ano e pouco, mas teve de ser encerrado, por iniciativa do próprio Nat King Cole, por não ter conseguido nenhum patrocínio de âmbito nacional. Cole lutou contra o racismo durante toda a sua vida, sempre recusando-se a cantar em platéias com segregação racial. Em 1956 foi atacado no palco por três membros do ‘North Alabama White Citizens Council’ durante um show em Birmingham, Alabama, enquanto cantava ‘Little Girl’. Cole foi derrubado de seu banco e machucou as costas. Ele nunca mais se apresentou no Sul dos EUA. Os agressores foram julgados e condenados. Em 1948 comprou uma casa em um condomínio só de brancos nos arredores de Los Angeles. A KKK ateou fogo em uma cruz em frente à sua casa. O conselho do condomínio disse-lhe que não queriam indesejáveis mudando-se para lá. Ele concordou e disse: ‘Eu também não, se eu vir alguém indesejável mudando-se, serei o primeiro a reclamar’. No mesmo ano foi contratado para se apresentar em Cuba e quis ficar no Hotel Nacional de Cuba, mas não lhe foi permitido porque tinham restrição (color bar) para negros. Cole honrou seu contrato e seu show no 'Tropicana' foi um grande sucesso. No ano seguinte voltou a Cuba para outro show, cantando várias músicas em espanhol. Hoje existe um tributo a ele na forma de um busto e uma jukebox no 'Hotel Nacional'. Por ter o hábito de fumar diariamente três maços de cigarro, o cantor morreu vítima de câncer.



the ultimate jazz archive 40


40-1: Anita O'Day (1940-1945)
parte I    parte II

Tracklist
01. Deep In the Blues 02. Let Me Off Uptown 03. Just a Little Bit South Of North Carolina 04. Slow Down 05. Georgia Of My Mind 06. Green Eyes 07. Kick It 08. Bolero At The Savoy 09. The Walls Keep Talking 10. Stop, the Red Light's On 11. That's What You Think 12. Massachusetts 13. I'm Going Mad For a Pad 14. 'Murder' He Says 15. Gotta Be Gettin' 16. And Her Tears Flowed Like Wine 17. Are You Livin' Old Man? 18. Travelin' Man 19. I Want a Grown-Up Man 20. Boogie Blues 21. Chickery Chick 22. Tea For Two 23. Opus 1

40-2: Billy Eckstine (1944-1947)
parte I    parte II

Tracklist
01. I've Got A Date With Rhythm 02. I Stay In The Mood For You 03. Good Jelly Blues 04. I Want To Talk About You 05. The Real Thing Happened To Me 06. Blowing The Blues Away 07. If That's The Way You Feel 08. I Love The Rhythm In A Riff 09. Last Night 10. Oo Bop Sh' Bam 11. I Love The Loveliness Of You 12. In The Still Of The Night 13. Jelly Jelly 14. My Silent Love 15. Time On My Hands 16. All The Things You Are 17. In A Sentimental Mood 18. All Of Me 19. Where Are You? 20. Prelude To A Kiss 21. She's Got The Blues For Sale

40-3: Peggy Lee (1941-1953)
parte I    parte II

Tracklist
01. How Deep Is The Ocean 02. Blues In The Night 03. You're Easy To Dance With 04. Ain't Goin' No Place 05. Somebody Loves Me 06. The Freedom Train 07. Swing Low Sweet Chariot 08. Somebody Loves Me 09. There'll Be Some Changes Made 10. Sugar 11. I Can't Give You Anything But Love 12. Happiness Is A Thing Called Joe 13. Them There Eyes 14. Bye Bye Blues 15. I Let A Song Go Out Of My Heart 16. You're Driving Me Crazy 17. They Can't Take That Away From Me 18. Lover Come Back To Me 19. (When I Dance With You) I Get Ideas 20. Whee Baby 21. I Didn't Know What Time It Was 22. A Woman Alone With The Blues

40-4: Nat King Cole (1943-1946)
parte I    parte II

Tracklist
01. Sweet Lorraine 02. Embraceable You 03. It's Only A Papermoon 04. I Just Can't See For Looking 05. I Realize Now 06. I'd Love To Make Love To You 07. Katusha 08. You're Nobody 'Till Somebody Loves You 09. Don't Blame Me 10. I'm Thru With You 11. I'm In The Mood For Love 12. I Don't Know Why 13. Route 66 14. Everyone Is Sayin' Hello Again 15. What Can I Say After I Say I'm Sorry 16. Could-'Ja 17. Baby, Baby All The Time 18. You Call It Madness 19. Look What You Have Done To Me 20. It Only Happens Once



the ultimate jazz archive: vocalists 41

posts relacionados
the ultimate jazz archive: blues

the ultimate jazz archive: boogie woogie
the ultimate jazz archive: swing to bebop, modern jazz
the ultimate jazz archive: big bands
the ultimate jazz archive: vocalists


june christy

June Christy (20 de novembro de 1925 - 21 de junho de 1990) ficou conhecida por seu trabalho no cool jazz e seu sucesso como cantora começou com a orquestra do pianista, compositor e arranjador Stan Kenton nos anos 40. Ela seguiu carreira solo em 1954 e é mais conhecida por seu álbum de estréia ‘Something Cool’. Após a sua morte, foi saudada como uma das cantoras mais negligenciadas do seu tempo. Luster Shirley nasceu em Springfield, Illinois, e começou a cantar aos treze anos. Depois do colegial foi para Chicago, e mudou seu nome para Sharon Leslie, apresentando-se com um grupo liderado pelo saxofonista e bandleaders Boyd Raeburn. Mais tarde se juntou à banda de Benny Strong que em 1944 mudou-se para Nova York, ao mesmo tempo em que Christy foi colocada em quarentena em Chicago, com escarlatina. Em 1945, depois de ouvir que Anita O'Day deixou a orquestra de Stan Kenton, Christy fez um teste e foi escolhida para substituir Anita. Durante este tempo, mudou seu nome mais uma vez, tornando-se June Christy. Sua voz produziu hits de sucesso como ‘Shoo Fly Pie and Apple Pan Dowdy’ e ‘How High the Moon’. A partir de 1947 começou a trabalhar em seus próprios discos, principalmente com o compositor, arranjador e bandleader Pete Rugolo. Em 1954 lançou ‘Something Cool’, gravado com Rugolo e sua orquestra, uma reunião de notáveis músicos de jazz de Los Angeles, que incluía seu marido, o multi-instrumentista Bob Cooper e o saxofonista Bud Shank. O álbum também foi importante no lançamento do vocal cool da década de 50. Nas décadas de 50 e 60, Christy apareceu em inúmeros programas de televisão e no primeiro concerto de jazz patrocinado pela TV, ‘The Timex All-Star Jazz Show I’, em 1957, que também contou com Louis Armstrong, Carmen McRae, Duke Ellington e Gene Krupa. Embarcou em dezenas de turnês, tocando na Europa, África do Sul, Austrália e Japão. June Christy se aposentou do mundo da música em 1965. Durante a década de 70 e 80 se apresentou em um punhado de festivais de jazz. Voltou ao estúdio de gravação em 1977 para gravar seu LP final, ‘Impromptu’. Em 1988 dividiu o palco com Chet Baker.



frank sinatra

Frank Sinatra nascido Francis Albert Sinatra (Hoboken, 12 de dezembro de 1915 - Los Angeles, 14 de maio de 1998) foi considerado uma das maiores vozes do século XX. Com mais de 50 anos de carreira que iniciou durante a era swing lançou centenas de canções imortalizadas em sua voz. Filho de dois imigrantes italianos, foi casado com as atrizes Ava Gardner e Mia Farrow, e possui duas estrelas na calçada da fama, uma por seu trabalho na música e outra por seu trabalho na TV americana. É considerado um dos maiores intérpretes da música na década de 50. Sem nenhum treinamento formal, Sinatra desenvolveu estilo altamente sofisticado. Sua habilidade em criar uma longa e fluente linha musical sem pausas para respiração, sua manipulação de frases o fez chegar bem mais longe que a maioria dos cantores populares. Apareceu em mais de cinquenta filmes, ganhou Oscar e fez parte do chamado 'Rat Pack', apelido dado a um grupo de artistas populares muito ativo entre meados da década de 50 e 60. Sua formação mais famosa foi composta por Frank Sinatra, Dean Martin, Sammy Davis Jr., Peter Lawford e Joey Bishop. Teve seu próprio show de TV durante vários anos e nos anos 90 continuou na ativa em concertos e gravações. Seus principais sucessos são ‘Fly me to the moon’, ‘My Way’ e ‘New York, New York’ e também cantou com o brasileiro Tom Jobim. Na oportunidade, ‘Girl from Ipanema’ brindou o grande encontro.



dinah washington

Dinah Washington, pseudônimo de Ruth Lee Jones (Tuscaloosa, Alabama, EUA, 29 de agosto de 1924 - 14 de dezembro de 1963) foi cantora de jazz, blues e gospel. De família de baixa renda, mudou-se para Chicago aos quatro anos. Teve uma infância solitária, já que seu pai, um apreciador de cassinos, raramente estava em casa, e sua mãe passava os dias na rua atrás do dinheiro para sustentar Dinah, suas irmãs e pagar as freqüentes dívidas do marido. Sozinhas em casa, as meninas começaram a se refugiar na igreja, onde passavam as tardes. Dinah tocava piano, assim como sua mãe, e todas cantavam no coral. Antes da adolescência, Dinah tocava piano e cantava gospel por toda Chicago, até vencer um concurso de calouros cantando blues. O concurso lhe rendeu um convite para participar do conjunto vocal ‘Sarah Martin Singers’, pouco antes de completar doze anos. Aos quinze anos, diante das proibições de sua mãe, começou a fugir pela janela de seu quarto para cantar à noite em bares e clubes, onde também começou desenvolver seu gosto pela bebida. Apesar da pouca idade, sua fantástica voz e técnica fizeram com que o bandleader Lionel Hampton a contratasse imediatamente quando a viu cantar em 1943. Foi nessa época que mudou seu nome de Ruth Lee Jones (nomes comuns nos EUA) para o mais pomposo Dinah Washington. Passou três anos junto a banda de Hampton onde conquistou prestígio pleno, gravando, apresentando-se e vendendo muito até sua morte. Gravou diversos estilos de música, apenas não gostando de gravar gospel, pois não apreciava a mistura de assuntos espirituais com profanos. Apesar de seus discos lhe renderem bastante dinheiro, possuía um estilo de vida bastante dispendioso, comprando jóias e carros, além de querer dar para a filha uma infância de luxo, diferente da sua. Morreu aos 39 anos de idade após ingerir inibidores de apetite com bebida alcoólica.



mel torme

Mel Tormé apelido de Melvin Howard Tormé (Chicago, Illinois, 13 de setembro de 1925 - 05 de junho de 1999), foi cantor, compositor e baterista de jazz, conhecido como um dos maiores cantores de jazz da história. Foi também ator de rádio, televisão, cinema e autor de cinco livros. Imigrante russo judaico foi uma criança prodígio, que cantou pela primeira vez profissionalmente aos 4 anos com a 'Coon-Sanders Orchestra', do baterista Carleton Coon e do pianista Joe Sanders. Escreveu a sua primeira canção aos 13 anos, e três anos depois, publicou a canção, ‘Lament to Love’, que tornou-se um hit com o bandleader Harry James. Enquanto adolescente, Mel Tormé, cantou, arranjou e tocou bateria na banda liderada por Chico Marx dos Irmãos Marx. Em 1943, fez sua estréia no cinema com Frank Sinatra, no musical ‘Higher and Higher' e passou a cantar e atuar em vários filmes e episódios de televisão ao longo de sua carreira, e teve o seu próprio programa na TV em 1951-52. Em 1944 formou o quinteto vocal ‘Mel Tormé and His Mel-Tones’, mais tarde, em 1947, seguiu carreira solo. O disc jockey, Fred Robbins deu-lhe o apelido de ‘The Fog Velvet’, pensando em homenageá-lo, mas Tormé detestava o apelido que achava depreciativo. As versões de Again’ e ‘Blue Moon’ tornaram-se suas melodias de assinatura. Por esta época, Mel Tormé, ajudou a fundar o cool jazz. Quando o rock’n’roll entrou em cena na década de 50, Tormé foi forçado a ganhar a vida cantando em clubes obscuros, com arranjos medíocres de música pop. Em 1962, a canção ‘Comin' Home, Baby’ levou a cantora Ethel Waters a dizer que Tormé era o único homem branco que cantava com a alma de um homem negro. O ressurgimento do jazz vocal na década de 70 resultou em um novo período artisticamente fértil para Tormé. Em 1996, um acidente vascular cerebral terminou abruptamente com a sua carreira de cantor, e em 1999, outro AVC terminou com a sua vida. Tormé escreveu mais de 250 canções, muitas das quais tornaram-se standards de jazz.



the ultimate jazz archive 41


41-1: June Christy (1945-1947)
parte I    parte II

Tracklist
01. I Never Thought I'd Sing The Blues 02. On The Sunny Side Of The Street 03. Easy Street 04. No Baby, Nobody But You 05. I Got The Sun In The Morning 06. Come Rain Or Come Shine 07. Tampico 08. Ride On 09. That's The Stuff You Gotta Watch 10. Are You Livin' Old Man? 11. Shoo Fly Pie And Apple Pan Dowdy 12. Just A-Sittin' And A-Rockin' 13. It's Been A Long, Long Time 14. Ain't No Misery In Me 15. Willow Weep For Me 16. Across The Valley From The Alamo 17. I Let A Song Go Out Of My Heart 18. If I Should Lose You 19. Day Dream 20. Little Grass Skirt 21. Skip Rope 22. I'll Bet You Do

41-2: Frank Sinatra (1944-1949)
parte I    parte II

Tracklist
01. All Of Me 02. Come Out, Come Out, Wherever You Are 03. Saturday Night (Is The Loniest Night In The Week) 04. Embraceable You 05. Someone To Watch Over Me 06. Aren't You Glad You're You 07. You Brought A New Kind Of Love To Me 08. The Song Is You 09. Begin The Beguine 10. That Old Black Magic 11. Come Rain Or Come Shine 12. September Song 13. Blue Skies 14. There's No Business Like Show Business 15. The Brooklyn Bridge 16. Sweet Lorraine 17. One For My Baby (And One For The Road) 18. All Of Me 19. Night And Day 20. S'Posin' 21. I've Got A Crush On You 22. Body And Soul 23. The Hucklebuck 24. It All Depends On You

41-3: Dinah Washington (1945-1953)
parte I    parte II

Tracklist
01. Blues For A Day 02. Rich's Man Blues 03. Pacific Coast Blues 04. Beggin' Mama Blues 05. My Lovin' Papa 06. Oo Wee Walkie Talkie 07. Embraceable You 08. You Can Depend On Me 09. Blow Top Blues 10. Joy Juice 11. A Slick Chick (On The Mellow Side) 12. Just One More Chance 13. Ain't Nothin' Good 14. Don't Get Around Much Anymore 15. Go Pretty Daddy 16. Feel Like I Wanna Cry 17. Lean Baby 18. Never, Never 19. I Ain't Goin' To Cry Anymore 20. Am I Blue 21. Pennies From Heaven 22. Set Me Free 23. My Man's An Undertaker

41-4: Mel Torme (1946-1954)
parte I    parte II

Tracklist
01. I Got The Sun In The Morning 02. It Happened In Monterey 03. Born To Be Blue 04. What Is This Thing Called Love? 05. Guilty 06. Little White Lies 07. How High The Moon 08. Blue Moon 09. Stompin' At The Savoy 10. Do Do Do 11. Sonny Boy 12. Recipe For Romance 13. It's Too Late Now 14. Got The Gate On The Golden Gate 15. Cross Your Heart 16. You're A Heavenly Thing 17. That Old Black Magic 18. Goody Goody 19. Bewitched 20. It Don't Mean A Thing (If It Ain't Got That Swing)



the ultimate jazz archive: vocalists 42

posts relacionados
the ultimate jazz archive: blues

the ultimate jazz archive: boogie woogie
the ultimate jazz archive: swing to bebop, modern jazz
the ultimate jazz archive: big bands
the ultimate jazz archive: vocalists


sarah vaughan

Sarah Vaughan (Newark, 27 de março de 1924 - Los Angeles, 3 de abril de 1990) junto com Billie Holiday e Ella Fitzgerald é considerada por muitos como uma das mais importantes e influentes vozes feminina do jazz. A voz de Vaughan caracterizava-se por sua tonalidade grave, por sua enorme versatilidade e por seu controle do vibrato. Sarah Vaughan foi uma das primeiras vocalistas a incorporar o fraseio do bebop. Leia +...



ella fitzgerald

Ella Fitzgerald (Newport News, 25 de abril de 1917 - Beverly Hills, 15 de junho de 1996) também conhecida como ‘First Lady of Song’ e ‘Lady Ella’, foi uma popular cantora com uma extensão vocal que abrangia três oitavas. Era notória pela pureza de sua tonalidade, sua dicção, fraseado e entonação impecáveis, bem como uma habilidade de improviso ‘semelhante a um instrumento de sopro’, particularmente no scat. Considerada uma das intérpretes supremas do chamado ‘Great American Songbook’, teve uma carreira que durou 59 anos, venceu 14 prêmios Grammy e recebeu a Medalha Nacional das Artes do presidente americano Ronald Reagan, bem como a Medalha Presidencial da Liberdade, do sucessor de Reagan, George H. W. Bush. Leia +...



joe williams

Joe Williams (Georgia, 12 de dezembro, 1918 - Las Vegas, 29 de março, 1999) foi um famoso barítono cantando uma mistura de blues, baladas, canções populares e standards do jazz. Williams nasceu Joseph Goreed e sempre teve uma forte ligação emocional com a mãe que tinha 18 anos quando ele nasceu. Com quatro anos mudou-se para Chicago, onde viveria por muitos anos. Anos mais tarde, lembrou-se de ter ido ao teatro com sua mãe para ouvir Louis Armstrong. Chicago também ofereceu-lhe uma série de estações de rádio onde ouvia os sons rebeldes do jazz de Duke Ellington, Ethel Waters, Cab Calloway, Big Joe Turner Big e muitos outros. No início da adolescência, ele já havia aprendido sozinho a tocar piano e formou seu próprio quarteto gospel conhecido como ‘The Jubilee Boys’, que cantava na igreja e como vocalista, cantando sozinho em bandas locais com o nome artístico ‘Williams’. Sua primeira chance real aconteceu em 1938, quando o clarinetista e saxofonista Jimmie Noone o convidou para cantar com sua banda. Em menos de um ano depois, o jovem cantor já era conhecido nos salões de dança de Chicago e nas estações de rádio. Entre 1939 e 1940 ele percorreu o centro-oeste com a banda de Les Hite que acompanhava Louis Armstrong e Fats Waller. Um ano mais tarde, ele fez uma turnê mais extensa com a banda do saxofonista Coleman Hawkins. Em 1954, foi contratado como o vocalista masculino da orquestra de Count Basie, onde permaneceu até 1961. Na década de 60, Williams trabalhou principalmente sozinho acompanhado pelos grandes jazzmen e se apresentando em festivais de jazz, tanto nos EUA quanto fora. Williams teve uma carreira de sucesso e trabalhou regularmente até a sua morte.



billie holiday

Billie Holiday (Filadélfia, 7 de Abril de 1915 - Nova Iorque, 17 de Julho de 1959), Lady Day para os fãs, é por muitos considerada a maior de todas as cantoras do jazz. Sua vida como cantora começou em 1930. Estando mãe e filha ameaçadas de despejo por falta de pagamento de sua moradia, Billie sai à rua em desespero, na busca de algum dinheiro. Entrando em um bar do Harlem, ofereceu-se como dançarina, mostrando-se um desastre. Penalizado, o pianista perguntou-lhe se sabia cantar. Billie cantou e saiu com um emprego fixo. Billie nunca teve educação formal de música e seu aprendizado se deu ouvindo Bessie Smith e Louis Armstrong. Após três anos cantando em diversas casas, atraiu a atenção do crítico John Hammond, através de quem ela gravou seu primeiro disco, com a big band de Benny Goodman. Era o real início de sua carreira. Começou a cantar em casas noturnas do Harlem (Nova York), onde adotou seu nome artístico. Leia +...




the ultimate jazz archive 42


42-1: Sarah Vaughan (1946-1954)
parte I    parte II

Tracklist
01. Nice Work If You Can Get It 02. Can't Get Out Of This Mood 03. Mean To Me 04. Come Rain Or Come Shine 05. It Might As Well Be Spring 06. Ain't Misbehavin' 07. The Nearness Of You 08. If You Could See Me Now 09. Can't Get Out Of This Mood 10. Shulie A Bop 11. Lover Man 12. They Can't Take That Away From Me 13. Prelude To A Kiss 14. Polka Dots And Moonbeams 15. Body And Soul 16. You're Not That Kind 17. September Song 18. He's My Guy 19. April In Paris 20. Lullaby Of Birdland

42-2: Ella Fitzgerald (1946-1954)
parte I    parte II

Tracklist
01. I'm Just A Lucky So And So 02. Oh! Lady Be Good 03. How High The Moon 04. Black Coffee 05. In The Evening When The Sun Goes Down 06. Basin Street 07. Solid As A Rock 08. Solid As A Rock 09. Ain't Nobody's Business But My Own 10. But Not For Me 11. Smooth Sailing 12. Airmail Special 13. Rough Ridin' 14. Goody Goody 15. You'll Have To Swing It Mr. Paganini 16. Preview 17. Early Autumn 18. Melancholy Me 19. Blue Lou 20. Lullaby Of Birdland

42-3: Joe Williams (1946-1955)
parte I    parte II

Tracklist
01. Now You Tell Me 02. Detour Ahead 03. It's Raining Again 04. Every Day 05. They Didn't Believe Me 06. Blow Mr. Low 07. Time For Moving 08. When The Sun Goes Down 09. Kansas City Blues 10. Always On The Blues Side 11. Safe, Sane And Single 12. All Right, Okay, You Win 13. The Comeback 14. Every Day (I Fall In Love) 15. Every Day I Have The Blues 16. Teach Me Tonight 17. Roll 'Em Pete

42-4: Billie Holiday (1952-1955)
parte I    parte II

Tracklist
01. I can't Face the Music 02. Lover come back to me 03. Yesterdays 04. How Deep is the Ocean 05. I cried for you 06. What a little Moonlight can do 07. Love me or Leave me 08. Stormy Blues 09. Willow weep for me 10. Too Marvelous for Words 11. I Thought abouth you 12. P.S. I.love you 13. Stormy Weather 14. Love for Sale 15. I Get a Kick out of you 16. Do Nothing till you hear from me 17. I got a ritht to sing the Blues 18. It Had to be you 19. Please don't talk about me when i'm gone



the ultimate jazz archive


The Ultimate Jazz Archive:
Boogie Woogie


17-1 Albert Ammons (1939-1946)
17-2 Meade 'Lux' Lewis (1940-1944)
17-3 Pete Johnson (1944-1947)
17-4 The Big Band Boogie Woogie (1938-1956)



The Ultimate Jazz Archive:
Swing to Bebop & Modern Jazz


18-1 Joe Venuti e Eddie Lang (1926-1933)
18-2 Fats Waller (1929-1938)
18-3 Coleman Hawkins (1929-1935)
18-4 Art Tatum (1933-1941)

19-1: Ben Webster (1932-19440)
19-2: Django Reinhardt (1936-1937)
19-3: Benny Goodman (1935-1936)
19-4: Roy Eldridge (1935-1941)

20-1: Earl ‘Fatha’ Hines (1934-1942)
20-2: Lester Young (1936-1944)
20-3: Teddy Wilson (1934-1946)
20-4: Benny Carter (1936-1937)

21-1: Lionel Hampton (1937-1940)
21-2: Charlie Shavers (1938-1941)
21-3: Charlie Christian (1939-1941)
21-4: Dexter Gordon (1943-1947)

22-1: Erroll Garner (1944-1947)
22-2: Slam Stewart (1945-1946)
22-3: Wardell Gray (1946-1949)
22-4: Lucky Thompson (1945-1947)

23-1: Don Byas (1912 - 1972)
23-2: Illinois Jacquet (1922 - 2004)
23-3: Charlie Parker (1945-1947)
23-4: Dizzy Gillespie (1945-1946)

24-1: Eddie 'Lockjaw' Davis (1946-1948)
24-2: Lennie Tristano (1946-1949)
24-3: Thelonious Monk (1947)
24-4: Fats Navarro (1947-1949)

25-1: George Shearing (1947-1953)
25-2: Gene Ammons (1947-1953)
25-3: Sonny Stitt (1949-1952)
25-4: Bud Powell (1949-1950)

26-1: Lee Konitz (1949-1951)
26-2: Miles Davis (1949-1953)
26-3: Zoot Sims (1950-1953)
26-4: Herbie Mann (1954-1956)

27- 1: James Moody (1951-1955)
27-2: Stan Getz (1950-1952)
27-3: Dave Brubeck (1949-1953)
27-4: The Modern Jazz Quartet (1951-1955)

28-1: Jay Jay Johnson (1949-1953)
28-2: Gerry Mulligan (1950-1953)
28-3: Sonny Rollins (1951-1953)
28-4: Paul Quinichette (1951-1953)

29-1: Art Pepper (1950-1954)
29-2: Shorty Rogers (1951-1956)
29-3: Horace Silver (1952)
29-4: Chet Baker (1952-1954)

30-1: Bud Shank (1953)
30-2: Clifford Brown (1953)
30-3: Charlie Parker (1949-1954)
30-4: Barney Kessel (1952-1954)

31-1: Lou Donaldson (1952-1954)
31-2: Art Farmer (1953-1956)
31-3: Tal Farlow (1952-1955)
31-4: Charles Mingus (1954)

32-1: Dizzy Gillespie (1953-1954)
32-2: Phil Woods (1954-1955)
32-3: Jackie McLean & Donald Byrd (1955)
32-4: The Jazz Messengers (1955)



The Ultimate Jazz Archive:
Big Bands


33-1: Bennie Moten (1930-1932)
33-2: Jimmie Lunceford (1930-1934)
33-3: Fletcher Henderson (1934-1936)
33-4: Chick Webb (1934-1937)

34-1: Benny Goodman (1935-1939)
34-2: Tommy Dorsey (1935-1938)
34-3: Harry James (1937-1939)
34-4: Earl ‘Fatha’ Hines (1937-1946)

35-1: Count Basie (1937-1944)
35-2: Artie Shaw (1938-1941)
35-3: Glenn Miller (1938-1941)
35-4: Bunny Berigan (1937-1939)

36-1: Gene Krupa (1938-1941)
36-2: Charlie Barnet (1939)
36-3: Erskine Hawkins (1940-1945)
36-4: Lionel Hampton (1945-1946)

37-1: Duke Ellington (1941-1947)
37-2: Woody Herman (1945-1954)
37-3: Stan Kenton (1950-1953)
37-4: Shorty Rogers (1951-1953)



The Ultimate Jazz Archive:
Vocalists


38-1: The Boswell Sisters (1931-1939)
38-2: The Mills Brothers (1932-1937)
38-3: Billie Holiday (1933-1936)
38-4: Mildred Bailey (1935-1939)

39-1: Ivie Anderson (1932-1942)
39-2: Ella Fitzgerald (1936-1940)
39-3: The Andrews Sisters
39-4: Lena Horne (1936-1944)

40-1: Anita O'Day (1940-1945)
40-2: Billy Eckstine (1944-1947)
40-3: Peggy Lee (1941-1953)
40-4: Nat King Cole (1943-1946)

41-1: June Christy (1945-1947)
41-2: Frank Sinatra (1944-1949)
41-3: Dinah Washington (1945-1953)
41-4: Mel Torme (1946-1954)

42-1: Sarah Vaughan (1946-1954)
42-2: Ella Fitzgerald (1946-1954)
42-3: Joe Williams (1946-1955)
42-4: Billie Holiday (1952-1955)


Fontes Biográficas: Wikipédia | E-Jazz | Clube do Jazz

ABC of the blues 23: lightnin' slim & j.b. lenoir

posts relacionados
ABC of the blues

lightnin' slimLightnin' Slim (1913-1974) foi cantor e guitarrista de ‘swamp blues’, um gênero de blues desenvolvido na década de 50, com base numa versão mais ritmada do Louisiana blues, e incluindo influências do blues de Nova Orleans, soul, cajun zydeco (cajun são os descendentes dos acadianos expulsos do Canadá e que se fixaram na Luisiana; zydeco é uma forma de música popular, uma mistura da música cajun e outros dois novos ritmos: blues e rhythm and blues). ‘Swamp blues’ tem como origem a cidade de Baton Rouge, e as suas composições são fortemente marcadas pelo estilo de Jimmy Reed, Lightnin' Hopkins e Muddy Waters. Caracteriza-se por ser um tipo de blues calmo, mas ruidoso, em que predomina a guitarra elétrica, a gaita e uma bateria com o som mais abafado. Nascido com o nome de Otis V. Hicks, em St. Louis, no Missouri, Lightnin' Slim foi viver em Baton Rouge, Louisiana, com treze anos. Aprendeu a tocar guitarra com o seu irmão mais velho Layfield, e no final da década de 40 começou a tocar em bares. A sua primeira gravação data de 1954, onde toca guitarra na música ‘Bad Luck Blues’. Nos doze anos seguintes, Slim passou a gravar muitas vezes em colaboração com o seu cunhado Slim Harpo, e com o gaitista Lazy Lester. Um dos seus grandes êxitos foi ‘Rooster Blues’, em 1959. Slim esteve algum tempo afastado da música trabalhando numa fundição, o que lhe causou sérios problemas nas mãos devido ao trabalho em altas temperaturas. Em 1970, foi ‘encontrado’ e convencido a tocar e a gravar novamente. O seu primeiro concerto teve lugar na Universidade de Chicago, em 1971, no Festival de Música Folk daquela cidade, juntamente com Lazy Wester. Nos anos 70, Slim tocou em diversas turnês na Europa, tanto no Reino Unido como no Festival de Jazz de Montreux na Suiça, onde era acompanhado por Moses ‘Whispering’ Smith na gaita. A sua última turnê data de 1973 no Reino Unido, com as lendas do blues. Lightnin' Slim morreu de câncer no estômago, com 61 anos.

j.b. lenoirJ. B. Lenoir (1929-1967), guitarrista, cantor e compositor no início da década de 40 trabalhou com Sonny Boy Williamson e Elmore James em Nova Orleans, Louisiana. A música de Blind Lemon Jefferson foi sua grande influência. Em 1949, quando se mudou para Chicago, Big Bill Broonzy ajudou a apresentá-lo à comunidade do blues local e começou a tocar em casas noturnas locais com grandes personalidades do blues como Memphis Minnie, Big Maceo e Muddy Waters e se tornou uma parte importante da cena musical da cidade. Durante a década de 50 trabalhou para diversas gravadoras da região de Chicago. Começou a gravar em 1951, e sua banda incluía o pianista Sunnyland Slim, o guitarrista Leroy Foster e o baterista Alfred Wallace. Durante a década de 50 Lenoir gravou em várias gravadoras e suas canções mais bem sucedidas foram ‘Let's Roll’ e ‘The Mojo’ com o saxofonista J.T. Brown. Lenoir era conhecido por seu carisma e em particular por seu paletó zebra e sua voz estridente. Ele se tornou um guitarrista e compositor influente e seus comentários sociais o distinguiam de outros bluesmen da época. Seu lançamento mais bem sucedido comercialmente foi ‘Mamma Talk To Your Daughter’ que mais tarde foi gravado por outros bluseiros e músicos do rock’n’roll. Na década de 60 fez trabalhos braçais e trabalhou na cozinha da Universidade de Illinois. Foi redescoberto por Willie Dixon e com o baterista Fred Below gravou o álbum ‘Alabama Blues and Down In Mississippi’ inspirado nos movimentos dos direitos civis e liberdade de expressão. Excursionou pela Europa, e em 1965 com o ‘American Folk Blues Festival’ no Reino Unido. A partir daí, suas composições tinham forte conteúdo político relacionados com o racismo e a guerra do Vietnã. As iniciais do seu nome não tinham qualquer significado específico; seu nome era simplesmente JB. Lenoir faleceu com 38 anos, de um ataque cardíaco relacionado com ferimentos que sofreu num acidente de carro três semanas antes. Sua morte foi lamentada por John Mayall nas canções ‘I'm Gonna Fight for You, J.B.’ e ‘Death of J. B. Lenoir’. O filme documentário de 2003 ‘The Soul of a Man’, dirigido por Wim Wenders da série ‘The Blues’ de Martin Scorsese explorou a carreira de Lenoir, juntamente com as de Skip James e Blind Willie Johnson.


Tracklist
01. Lightnin' Slim - Rock Me Mama
02. Lightnin' Slim - Bad Luck
03. Lightnin' Slim - New Orleans Bound
04. Lightnin' Slim - Bugger Bugger Boy
05. Lightnin' Slim - I'm a Rollin' Stone
06. Lightnin' Slim - Hoodoo Man
07. Lightnin' Slim - I'm Grown
08. Lightnin' Slim - Nothing but the Devil
09. Lightnin' Slim - Tom Cat Blues
10. Lightnin' Slim - Wintertime Blues
11. J.B. Lenoir - I Have Married
12. J.B. Lenoir - How Much More
13. J.B. Lenoir - Let's Roll Pt. 1
14. J.B. Lenoir - The Mojo Pt. 1
15. J.B. Lenoir - Slow Down Woman
16. J.B. Lenoir - Louise
17. J.B. Lenoir - When I Was Young
18. J.B. Lenoir - Bassology
19. J.B. Lenoir - Play a Little While
20. J.B. Lenoir - Livin' in the White House



ABC of the blues volume 23

parte I    parte II



ABC of the blues 24: leadbelly

posts relacionados
ABC of the blues

leadbellyLead Belly ou Leadbelly (1888-1949), foi um dos criadores do blues, e figura muito influente para bandas tão variadas quanto Led Zeppelin e Nirvana. Um dos pioneiros do chamado blues rural, estilo essencialmente acústico, entre 1933 e 1940, gravou suas músicas mais conhecidas sob a tutela de John Lomax e seu filho Alan Lomax, musicólogos e folcloristas que fizeram muito para a preservação da música popular americana. Lead Belly costumava tocar violão de 12 cordas, mas também sabia tocar piano, bandolin, gaita de boca, violino e acordeão. Em algumas de suas gravações, ele toca acordeão ao invés de violão. Em outras gravações ele apenas canta batendo palmas e batendo os pés. Enquanto trabalhava nos campos de algodão, ele absorveu um vasto repertório de canções e estilos. As letras de suas músicas incluem músicas gospel, blues sobre mulheres, bebida e racismo; músicas folk sobre cowboys, prisão, trabalho, marinheiros, colheita e dança. Ele também escreveu canções sobre atualidades da época como o presidente Franklin Roosevelt; Adolf Hitler; a atriz norte-americana de cinema, que antecedeu Marilyn Monroe, Jean Harlow; The Scottsboro Boys, os nove adolescentes negros, injustamente, acusados de estupro no Alabama em 1931; e sobre o aviador, produtor de cinema, diretor cinematográfico e um dos homens mais ricos do mundo Howard Hughes.

Nascido Huddie William Ledbetter em Mooringsport, Louisiana, se interessou pela música quando tinha cinco anos de idade. Seu tio lhe deu seu primeiro instrumento, um acordeão. Leadbelly era uma criança forte, que colhia grandes quantidades de algodão, uma habilidade que lhe deu status enquanto esteve encarcerado quando adulto. Adolescente começou a tocar guitarra e cantar em bares, bordéis e salões de dança. Entre 1906 e 1908, andou através da Louisiana, ouvindo Jelly Roll Morton antes de ir para Dallas, Texas. Em 1908, sofreu uma doença grave e voltou para a casa de seus pais em Louisiana. Dois anos depois estava de volta a Dallas e tinha adquirido uma guitarra de doze cordas. Em 1912, adotou o nome Leadbelly e se apresentava com o guitarrista cego Blind Lemon Jefferson, que se tornaria o bluesman de maior sucesso comercial de seu tempo. A parceria durou cinco anos, expondo Leadbelly a uma variedade de estilos de blues.

Prisão de Angola, Louisiana

Prisão de Angola, Louisiana

Entretanto, o seu temperamento o colocaram em confronto com a lei. Em 1915 foi sentenciado a passar um tempo na 'Harrison County Jail' por carregar uma arma, prisão da qual escapou, encontrando trabalho no condado de Bowie com o nome falso de Walter Boyd. Em 1918 foi preso, desta vez por ter matado um parente em uma briga por causa de uma mulher. Ficou preso no Texas, onde aprendeu a música ‘Midnight Special’ e foi perdoado e solto depois de sete anos, tempo mínimo de sua senteça de 35 anos, depois de ter escrito uma canção ao governador Pat Morris Neff para a sua liberdade. Lead Belly influenciou a decisão de Neff apelando para sua forte fé religiosa, em combinação com seu bom comportamento que incluia entreter os guardas e os outros prisioneiros tocando violão. Logo após sua libertação, Leadbelly ouviu pela primeira vez discos de blues de Bessie Smith, do seu amigo Lemon Blind e de Big Bill Broonzy. E incorporou essas músicas em seu repertório, mas, ao contrário deles que tinham batido todos os recordes de vendagem ele não fez gravações comerciais.

leadbelly

Em 1930, Lead Belly foi preso novamente, após um julgamento em Louisiana, por tentativa de homicídio, ele tinha esfaqueado um homem branco em uma briga. Três anos depois ele foi ‘descoberto’ por John Lomax e seu filho Alan Lomax durante uma visita à ‘Angola Prison Farm’. Impressionados pela sua voz e seu imenso repertório, eles fizeram gravações para a Biblioteca do Congresso. Retornaram com um equipamento melhor em 1934, e gravaram centenas de suas músicas. No mesmo ano, Lead Belly foi solto, novamente cumprindo a sua pena mínima, desta vez devido a uma petição que Lomax fez ao governador de Louisiana, Oscar K. Allen pela soltura urgente de Lead Belly. A petição estava no outro lado de uma gravação da música ‘Goodnight Irene’ de Lead Belly. Um oficial da prisão um tempo depois escreveu à Lomax negando que a música de Lead Belly tivesse alguma coisa a ver com sua soltura da prisão de Angola, e registros da prisão confirmam que ele foi solto antes do tempo por bom comportamento. Por um tempo, de qualquer maneira, ambos, Lead Belly e Lomax, acreditaram que a gravação acelerou a decisão do governador na sua soltura. Um homem com um temperamento quente e enorme força, Lead Belly posteriormente se mudou para Nova York, onde trabalhou como motorista para John Lomax. Em seus sessenta e poucos anos, Leadbelly viveu, essencialmente, duas vidas distintas: primeiro, como um trabalhador de campo, cantor de blues, e prisioneiro no Sul rural, em segundo lugar, como um artista folksinger, sensação em clubes e colégios, para um público que veio a conhecer suas músicas e os contornos míticos de sua vida. Durante os últimos 15 anos de sua vida, fez amizade com o cantor de folk music Woody Guthrie e de música folclórica Pete Seeger. Como Guthrie, ele se apresentou em comícios políticos e sindicatos de trabalhadores e se tornou conhecido como o rei da guitarra de doze cordas.


Tracklist
01. Leadbelly - Alabama Bound
02. Leadbelly - Fort Worth and Dallas Blues
03. Leadbelly - Leavin' Blues
04. Leadbelly - Midnight Special
05. Leadbelly - T.B. Woman Blues
06. Leadbelly - New York City
07. Leadbelly - Shorty George
08. Leadbelly - John Hardy
09. Leadbelly - Bourgeois Blues
10. Leadbelly - Good Morning Blues
11. Leadbelly - Easy Rider
12. Leadbelly - Pretty Flower in Your Backyard
13. Leadbelly - Black Snake Moan
14. Leadbelly - See See Rider
15. Leadbelly - Roberta Pt. 1
16. Leadbelly - Pigmeat
17. Leadbelly - Grey Goose
18. Leadbelly - Pick a Bale of Cotton
19. Leadbelly - Where Did You Sleep Last Night?
20. Leadbelly - Death Letter Blues Pt. 1



ABC of the blues volume 24

parte I    parte II



the band

the bandEntre 1968 e 1975, ‘The Band’ foi um dos grupos de rock mais populares e influentes do mundo, sua música foi abraçada pela crítica e, em grau menor, pelo público. E seus álbuns foram analisados e revistos tão intensamente quanto os registros do seu mentor Bob Dylan. Embora a banda tenha se aposentado depois do concerto ‘The Last Waltz’ e dissolvida alguns anos mais tarde, seu legado prosperou durante décadas, perpetuado por carreiras solos. A história do grupo remonta a 1958, quando o cantor de rockabilly, Ronnie Hawkins, nascido em Arkansas resolveu por uma carreira de verdade e montou uma banda de apoio, 'The Hawks', que incluia seu companheiro da mesma cidade, Levon Helm, que tocava bateria e um pouco de guitarra. ‘Ronnie Hawkins & The Hawks’ faziam shows em Ontário, Canadá, onde a recepção era melhor e mais rentável. Quando o pianista Willard Jones deixou o grupo um ano depois, Hawkins começou a observar alguns dos talentos da música de Toronto e convidou o tecladista Scott Cushnie para aderir ao ‘The Hawks’. Cushnie só iria se Robbie Robertson, com quem tocava, fosse junto. Depois de alguma resistência Hawkins aceitou, e Robertson entrou como baixista, substituindo Jimmy Evans. Mudanças no lineup ocorreram ao longo dos próximos anos, com Robbie Robertson mudando para guitarra e Rick Danko veio para o baixo em 1961, seguido por Richard Manuel no piano e backing vocals. Logo depois, Garth Hudson, um músico de formação clássica que sabia ler música, tornou-se a última peça do quebra-cabeça como organista.

De 1959 a 1963, 'Ronnie Hawkins & The Hawks’ foram os mais badalados na cena do rock'n'roll. Hawkins era a resposta de Toronto para Elvis Presley, e ele permaneceu fiel ao rock’n’roll, mesmo depois que Elvis suavizou o seu som. Em 1962, John Hammond Jr., considerado hoje, uma lenda viva do blues, e por muitos o representante do delta blues mais importante desde Robert Johnson, conheceu ‘Ronnie Hawkins & The Hawks’ em Toronto. A banda costumava ir a New York e a convite de John Hammond, que estava começando a carreira, fizeram uma sessão com ele e também com outros músicos como Michael Bloomfield e Charlie Musselwhite. Outras gravações seguiram, e essas séries de sessões levaram o grupo a ser apresentado a Bob Dylan. A mistura de personalidades dentro da banda funcionava e como os novos membros eram todos canadenses, Hawkins perdeu o controle do grupo. Finalmente se separaram 1963, devido à arrogante personalidade do cantor e a banda decidiu ficar junto com o seu membro mais velho, Levon Helm, e o ‘The Hawks’ foi renomeado como ‘Canadian Squires’.

    Canadian Squires

'Ronnie Hawkins & The Hawks’ (1960) | 'Canadian Squires' (1963)

Em 1964, adotaram o nome ‘The Levon Helm Sextet’, sendo o sexto integrante o saxofonista Jerry Penfound, e posteriormente, com a saída de Penfound, ‘Levon & The Hawks’. Quinteto novamente, o grupo foi recrutado por Bob Dylan para uma turnê pelos EUA em 1965 e outra mundial em 1966. E fizeram parte de uma série de gravações, mais tarde conhecidas como ‘The Basement Tapes’. Com Dylan não foi sempre uma colaboração fácil. Em seus cinco anos de apoio a Ronnie Hawkins, o grupo havia tocado rock’n’roll, fortemente influenciados pelo som da 'Chess Records' em Chicago e da 'Sun Records' em Memphis. Além disso, eles aprenderam a tocar com força diante de audiências que estavam interessadas em dançar e divertir-se. Agora eles tinham Dylan tocando música popular e para multidões que os rejeitavam, e o grupo não estava acostumado a enfrentar as paixões da platéia folk. E Dylan gostava de fazer alterações quando se apresentava e por isso, o grupo, muitas vezes, tinha dificuldade em acompanhá-lo, pelo menos no início, depois a experiência tornou-os mais flexíveis no palco.

Levon & The Hawks    bob dylan & robbie robertson

'Levon & The Hawks' (1964) | Bob Dylan & Robbie Robertson (1965)

Finalmente, um contrato de gravação para o grupo foi garantido pelo próprio gerente de Dylan, Albert Grossman, da 'Capitol Records'. Por ser sempre ‘a banda’ de vários cantores, decidiram que o nome seria ‘The Band’ e seguiram carreira própria. E gravaram dois dos álbuns mais importantes do final dos anos 60: ‘Music from Big Pink’ em 1968, que contou com uma pintura de Bob Dylan em sua capa, refletia a crise do final dos anos 60, enfatizando a tragédia dos conflitos; e em 1969, o álbum ‘The Band’ que devido à cor marrom da capa, é chamado de ‘The Brown Album’, inspirado no ‘White Album’ dos Beatles. Com o tempo, ‘Music from Big Pink’ chegou a ser considerado como um divisor de águas na história do rock, que introduziu novos tons e abordagens para um gênero em constante evolução. Estes álbuns, elogiados pela crítica, ajudaram a conceber o country rock como algo mais do que um gênero, mas uma celebração da música norte-americana.

A reputação do grupo explodiu, além disso, eles começaram a escalada para fora da sombra de Bob Dylan, com composições próprias, quase todas de Robbie Robertson. Após o lançamento do segundo álbum, as coisas mudaram um pouco dentro do grupo. Em parte devido às pressões de turnês e as expectativas do público e da imprensa sobre Robbie Robertson, considerado um gênio. Em seu terceiro brilhante álbum, ‘Stage Fright’, a exaustão e pressões pessoais agigantaram-se. Além disso, a enorme quantidade de dinheiro ganho levou a casos de comportamento irresponsável de alguns membros que trocaram o uso casual da maconha por diversões químicas mais pesadas. E alguns ressentimentos privados também começaram a se manifestar, principalmente sobre o domínio de Robertson nas composições. No quarto álbum, ‘Cahoots’, o brilho da experimentação e da camaradagem tinha ido embora. No final de 1971, eles decidiram fazer uma pausa, e lançaram ‘Rock of Ages’, um disco ao vivo gravado durante a série de shows em New York em 1971.

the band    the band

'The Band' em frente a casa 'Big Pink’ onde Bob Dylan costumava hospedar-se (1968)

Até o final de 1974, a banda tinha gasto grande parte do que tinha construído a partir de seus primeiros quatro álbuns. ‘Northern Lights - Southern Cross’ lançado em 1975, foi um grande retorno e restaurou a reputação do grupo. Nesta mesma época, Levon Helm e Garth Hudson fizeram uma contribuição tardia para a história da ‘Chess Records’ com Muddy Waters, o álbum ‘Muddy Waters Woodstock Album’, embora ignorado na época por todos, foi o melhor álbum de Waters nos últimos anos. Mas, era tarde demais para salvar a banda, os membros estavam todos envolvidos em seus próprios interesses e vidas e o grupo parou de fazer turnês. Um último álbum, ‘Islands’, cumpriu o contrato do grupo e teve alguns momentos bons. O grupo marcou o fim de seus dias com o lançamento do filme ‘The Last Waltz’, dirigido por Martin Scorsese. Em 1993, a banda lançou 'Jericó', o seu primeiro álbum em 16 anos, que recebeu boas críticas. No entanto, a morte de Rick Danko em 1999, um dia após seu aniversário de 56 anos, pôs fim a qualquer versão de futuras atividades da banda.

‘A Musical History’ é uma antologia do grupo lançado pela 'Capitol Records' em 2005 e apresenta 111 faixas espalhadas pelos cinco CDs que abrangem a viagem do grupo de 1961 a 1977, de seus dias como banda de Ronnie Hawkins, com Bob Dylan e com vida própria, até o desmantelamento do grupo em 1976 e depois a retomada em 1983 sem o guitarrista fundador e principal compositor Robbie Robertson. O conjunto inclui destaques das várias etapas do grupo com gravações de estúdio e ao vivo.

the band - a musical history (2005)

A Musical History (2005)
CD 1    CD 2    CD 3    CD 4    CD 5

Tracklist: CD 1
01. Ronnie Hawkins & The Hawks - Who Do You Love?
02. Ronnie Hawkins & The Hawks - You Know I Love You (Stereo)
03. Ronnie Hawkins & The Hawks - Further On Up The Road (Stereo)
04. Ronnie Hawkins & The Hawks - Nineteen Years Old (Stereo)
05. Levon & The Hawks - Honky Tonk
06. Levon & The Hawks - Bacon Fat
07. Levon & The Hawks - Robbie's Blues
08. Canadian Squires - Leave Me Alone
09. Canadian Squires - Uh Uh Uh
10. Levon & The Hawks - He Don't Love You (And He'll Break Your Heart)
11. The Band - (I Want To Be) The Rainmaker (Song Sketch)
12. The Band - The Stones I Throw (Song Sketch)
13. Levon & The Hawks - The Stones I Throw (Will Free All Men)
14. Levon & The Hawks - Go Go Liza Jane
15. Bob Dylan - Can You Please Crawl Out Your Window? (Single Version)
16. Bob Dylan - Tell Me, Momma (Live 5/14/66, The Odeon, Liverpool)
17. Bob Dylan - Just Like Tom Thumb's Blues (Live 5/14/66, The Odeon, Liverpool)
18. The Band - Words And Numbers (Song Sketch)
19. The Band - You Don't Come Through (Song Sketch)
20. The Band - Beautiful Thing (Song Sketch)
21. The Band - Caledonia Mission (Song Sketch)
22. Bob Dylan & The Band - Odds And Ends (Stereo)
23. The Band - Ferdinand The Impostor
24. The Band - Ruben Ruben (Stereo)
25. The Band - Will The Circle Be Unbroken

Tracklist: CD 2
01. Katie's Been Gone
02. Ain't No More Cane On The Brazos
03. Bob Dylan & The Band - Don't Ya Tell Henry
04. Tears Of Rage
05. To Kindom Come (Full-Length Version)
06. In A Station
07. The Weight
08. We Can Talk
09. Long Black Veil
10. Chest Fever
11. Lonesome Suzie (Alternate Version)
12. This Wheel's On Fire
13. I Shall Be Released
14. Yazoo Street Scandal
15. Bob Dylan with The Band - I Ain't Got No Home (Live 1/20/68, Carnegie Hall, NYC)
16. Orange Juice Blues (Blues For Breakfast)
17. Baby Lou
18. Long Distance Operator
19. Key To The Highway
20. Bessie Smith

Tracklist: CD 3
01. Across The Great Divide
02. Rag Mama Rag
03. The Night They Drove Old Dixie Down
04. When You Awake
05. Up On Cripple Creek
06. Whispering Pines
07. King Harvest (Has Surely Come)
08. Get Up Jake
09. Jemima Surrender (Early Version)
10. Daniel And The Sacred Harp (Alternate Take)
11. Time To Kill
12. All La Glory (Early Version)
13. The Shape I'm In
14. Stage Freight
15. The Rumor
16. Slippin' & Slidin' (Live 7/5/70, The Festival Express Train Tour, Calgary, Canada)
17. Don't You Do It
18. Strawberry Wine (Live 6/2/71, Royal Albert Hall, London)
19. Rockin' Chair (Live 6/2/71, Royal Albert Hall, London)
20. Look Out Cleveland (Live 6/2/71, Royal Albert Hall, London)
21. 4% Pantomime

Tracklist: CD 4
01. Life Is A Carnival
02. When I Paint My Masterpiece
03. The Moon Struck One
04. The River Hymn
05. Don't Do It
06. Caledonia Mission
07. Smoke Signal
08. Unfaithful Servant
09. The W.S. Walcott Medicine Show
10. The Genetic Method
11. Chest Fever
12. (I Don't Want To Hang Up My) Rock 'N' Roll Shoes
13. Loving You (Is Sweeter Than Ever)
14. Endless Highway
15. Move Me (Song Sketch)
16. Two Piano Song
17. Mystery Train

Tracklist: CD 5
01. Ain't Got No Home
02. Share Your Love With Me
03. Didn't It Rain
04. Bob Dylan - Forever Young
05. Bob Dylan & The Band - Rainy Day Women (Live 2/13/74, The Forum, Inglewood, CA)
06. Bob Dylan - Highway 61 Revisited (Live 1/31/74, Madison Square Garden, NYC)
07. Ophelia
08. Acadian Driftwood
09. It Makes No Difference
10. Twilight (Song Sketch)
11. Christmas Must Be Tonight
12. The Saga Of Peptone Rouge
13. Livin' In A Dream
14. Forbidden Fruit (Live 9/18/76, The Palladium, NYC)
15. Home Cookin'
16. Out Of The Blue
17. The Band with Emmyloiu Harris - Evangeline
18. The Night They Drove Old Dixie Down (from The Last Waltz, Live 11/25/76, Winterland Palace, San Francisco, CA)
19. The Band with The Staples - The Weight

Com uma combinação distinta de country, rock, folk, música clássica, R&B e soul, ‘Music From Big Pink’, o primeiro álbum lançado pela banda no verão de 1968, fugiu do contexto da época, cuja palavra-chave era rebeldia, e falou sobre valores espirituais e da decadência das instituições. A recepção crítica inicial para o álbum foi positiva, e o fato de Bob Dylan co-escrever três canções atraiu também a atenção. O álbum apresenta a sua canção mais conhecida, ‘The Weight’ que ganhou popularidade, em parte devido à sua inclusão no filme ‘Easy Rider’, embora tenha sido omitida da trilha sonora devido a problemas de licenciamento. A versão cover da banda ‘Smith’ foi incluída na trilha sonora em seu lugar. O álbum foi gravado na 'Big Pink’, uma casa compartilhada por Rick Danko, Richard Manuel e Garth Hudson, no norte do estado de Nova York onde Bob Dylan hospedava-se para escrever canções e tocá-las em seu grande porão. Bob Dylan foi o responsável pela capa do álbum.

‘The Band’, é visto como um álbum conceitual, com músicas de Robbie Robertson, um estrangeiro (canadense) enfocando pessoas, lugares e tradições associadas com uma versão mais antiga da vida norte-americana, a do século XIX, narrando os dramas da conquista do Oeste e da Guerra Civil. Em 2009, o álbum foi preservado no Registro Nacional de gravação, por ser considerado cultural, histórica e esteticamente importante por refletir a vida nos Estados Unidos.

‘Stage Fright’ é o disco mais pessoal da banda. Um disco realista e sincero no qual Robertson narra a angústia diante do sucesso, do seu medo de palco, os conflitos da banda e seus demônios; Manuel já enfrentava problemas e não conseguia mais compor e Danko cada vez mais enterrado na heroína.

‘Northern Lights’ foi o último grande disco de estúdio e o início da despedida da banda. A canção ‘Acadian Drifwood’ é uma homenagem de Robertson à sua terra natal, o Canadá. ‘It Makes No Difference’ tem Danko em sua melhor interpretação, um bonito solo de Robertson e um sax arrasador de Hudson.

‘Rock of Ages: The Band in Concert’ é o quinto álbum, um disco ao vivo gravado durante a série de shows em New York em 1971, que combina vários de seus sucessos com covers de canções de Marvin Gaye e Chuck Willis com improvisação ao órgão de Garth Hudson. Algumas músicas contem instrumentos de sopro, seções especialmente compostas pela lenda de New Orleans, Alain Toussaint. No final do show, sem aviso, entra de surpresa Bob Dylan, que andava afastado dos palcos, para um encerramento com ‘Like a Rolling Stone’.

the band - music from big pink (1968) the band - the band (1969) the band - stage fright (1970) the band - nothern lights (1975) the band - rock of ages (1972)

Music From Big Pink (1968)

Tracklist
01. Tears of Rage 02. To Kingdom Come 03. In a Station 04. Caledonia Mission 05. Weight 06. We Can Talk 07. Long Black Veil 08. Chest Fever 09. Lonesome Suzie 10. This Wheel's On Fire 11. I Shall Be Released 12. Yazoo Street Scandal (bonus track) 13. Tears of Rage (bonus track) 14. Katie's Been Gone (bonus track) 15. If I Lose (bonus track) 16. Long Distance Operator (bonus track) 17. Lonesome Suzie (bonus track) 18. Orange Juice Blues (Blues for Breakfast) (bonus track) 19. Key to the Highway (bonus track) 20. Ferdinand the Imposter (bonus track)

The Band (1969)

Tracklist
01. Across the Great Divide 02. Rag Mama Rag 03. The Night They Drove Old Dixie Down 04. When You Awake 05. Up on Cripple Creek 06. Whispering Pines 07. Jemima Surrender 08. Rockin' Chair 09. Look out Cleveland 10. Jawbone 11. The Unfaithful Servant 12. King Harvest (Has Surely Come) 13. Get up Jake

Stage Fright (1970)

Tracklist
01. Strawberry Wine 02. Sleeping 03. Time to Kill 04. Just Another Whistle Stop 05. All La Glory 06. The Shape I'm In 07. The W.S. Walcott Medicine Show 08. Daniel and The Sacred Harp 09. Stage Fright 10. The Rumor 11. Daniel and The Sacred Harp (bonus track) 12. Time to Kill (bonus track) 13. The W.S. Walcott Medicine Show (bonus track) 14. Radio Commercial (bonus track)

Nothern Lights – Southern Cross (1975)

Tracklist
01. Forbidden Fruit 02. Hobo Jungle 03. Ophelia 04. Acadian Driftwood 05. Ring Your Bell 06. It Makes No Difference 07. Jupiter Hollow 08. Rags and Bones 09. Twilight (bonus track)10. Christmas Must Be Tonight (bonus track)

Rock of Ages (1972)
CD 1    CD 2

Tracklist: CD 1
01. Introduction 02. Don't Do It 03. King Harvest (Has Surely Come) 04. Caledonia Mission 05. Get up Jake 06. The W. S. Walcott Medicine Show 07. Stage Fright 08. The Night They Drove Old Dixie Down 09. Across The Great Divide 10. This Wheel's On Fire 11. Rag Mama Rag 12. The Weight 13. The Shape I'm In 14. Unfaithful Servant 15. Life Is a Carnival 16. The Genetic Method 17. Chest Fever" 18. (I Don't Want To) Hang Up My Rock and Roll Shoes

Tracklist: CD 2
01. Loving You Is Sweeter Than Ever 02. I Shall Be Released 03. Up on Cripple Creek 04. The Rumor 05. Rockin' Chair 06. Time to Kill 07. Down in the Flood (with Bob Dylan) 08. When I Paint My Masterpiece" (with Bob Dylan) 09. Don't Ya Tell Henry" (with Bob Dylan) 10. Like a Rolling Stone" (with Bob Dylan)

‘The Last Waltz’ foi um concerto de rock realizado pelo grupo em 1976 no 'Winterland Ballroom' em São Francisco, e foi divulgado como o final da ilustre carreira da banda. E durante o concerto o grupo se reuniu com vários convidados especiais, incluindo Paul Butterfield, Eric Clapton, Neil Diamond, Bob Dylan, Emmylou Harris, Ronnie Hawkins, Dr. John, Joni Mitchell, Van Morrison, Ringo Starr, Muddy Waters, Ronnie Wood e Neil Young. O evento foi filmado pelo cineasta Martin Scorsese e transformado em um documentário de mesmo nome, lançado em 1978.

the band - the last waltz (2002)

The Last Waltz (2002) (soundtrack)
CD 1    CD 2    CD 3    CD 4

Tracklist: CD 1
01. Theme from The Last Waltz (with Orchestra)
02. Up On Cripple Creek
03. The Shape I'm In
04. It Makes No Difference
05. Who Do You Love (with Ronnie Hawkins)
06. Life Is A Carnival
07. Such A Night (with David Bromberg & Dr. John)
08. The Weight
09. Down South In New Orleans (with Bobby Charles)
10. This Wheel's On Fire
11. Mystery Train (with Paul Butterfield)
12. Caldonia (with Muddy Waters)
13. Mannish Boy (with Muddy Waters)
14. Stagefright

Tracklist: CD 2
01. Rag Mama Rag
02. All Our Past Times (with Eric Clapton)
03. Further On Up The Road (with Eric Clapton)
04. Ophelia
05. Helpless (with Neil Young)
06. Four Strong Winds (with Neil Young)
07. Coyote (with Joni Mitchell)
08. Shadows And Light (with Joni Mitchell)
09. Furry Sings The Blues (with Joni Mitchell)
10. Acadian Driftwood
11. Dry Your Eyes (with Neil Diamond)
12. The W.S. Walcott Medicine Show
13. Tura Lura Lural (That's An Irish Lullaby) (with Van Morrison)
14. Caravan (with Van Morrison)

Tracklist: CD 3
01. The Night They Drove Old Dixie Down
02. The Genetic Method/Chest Fever (Excerpt From Movie Soundtrack)
03. Baby Let Me Follow You Down (with Bob Dylan)
04. Hazel (with Bob Dylan)
05. I Don't Believe You (She Acts Like We Never Have Met) (with Bob Dylan)
06. Forever Young (with Bob Dylan)
07. Baby Let Me Follow You Down (Reprise) (with Bob Dylan)
08. I Shall Be Released (Finale)
09. Jam #1
10. Jam #2
11. Don't Do It
12. Greensleeves (From Movie Soundtrack)

Tracklist: CD 4
01. The Well
02. Evangeline (with Emmylou Harris)
03. Out Of The Blue
04. The Weight (with The Staples)
05. The Last Waltz Refrain
06. Theme From The Last Waltz
07. King Harvest (Has Surely Come)
08. Tura Lura Lural (That's An Irish Lullaby) (with Van Morrison)
09. Caravan (with Van Morrison)
10. Such A Night (with David Bromberg & Dr. John)
11. Rag Mama Rag
12. Mad Waltz (Sketch Track For "The Well")
13. The Last Waltz Refrain (Instrumental Version)
14. The Last Waltz Theme (Sketch)

The Last Waltz (1978)
(trailer do documentário de Martin Scorsese)



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...