fats waller

fats waller Embora seu nome não seja conhecido entre os leigos do jazz, Fats Waller é considerado, por muitos críticos, como o mais completo pianista de jazz, acima de Duke Ellington, Jelly Roll Morton, e até mesmo de Erroll Garner. De 1934, quando assinou contrato com a RCA Victor até 1942 foram gravadas 300 peças. E os seus registros e o nome de Fats Waller, no curto espaço de tempo em que viveu, tornaram-se um dos maiores tesouros da história do jazz. Pianista, organista, vocalista e compositor tocava o estilo ‘stride’ de piano, estilo que foi desenvolvido nas grandes cidades da Costa Leste, principalmente em Nova York, durante 1920 e 1930. E com sofisticação influenciou pianistas estilisticamente diferentes como Art Tatum, Thelonious Monk, Bud Powell e Joe Zawinul.

Fats Waller foi um pianista de um impressionante talento que chamou a atenção dos ricos e famosos. Em Chicago, no ano de 1926, foi seqüestrado por quatro capangas do famoso gangster Al Capone e levado para uma festa em andamento e com uma arma nas costas foi ordenado que tocasse. A festa era o aniversário de Capone e Fats Waller tocou durante três dias. Quando deixou o prédio estava muito bêbado, extremamente cansado e com milhares de dólares nos bolsos. Inimitável e com um incansável senso de humor, Fats Waller e sua personalidade efervescente eram maiores que a vida. Ele espremeu cada gota de vida, e, aparentemente, cada garrafa que ele pode colocar em suas mãos. Foram anos de vida dura e uma rigorosa agenda de shows, que terminou em uma pneumonia brônquica.

Fats Waller

Thomas Wright Waller nasceu em New York, em 1904, e era filho de um pastor de Igreja, seu avô era violinista e aprendeu a tocar órgão na igreja com sua mãe. Sua importância é também como o primeiro grande organista do jazz. Aos 15 anos já era organista do Lincoln Theater, fato que irritou o seu pai que queria que ele seguisse o seu caminho, o caminho de Deus. Em 1918, Fats ganhou um concurso de talentos tocando ‘Carolina Shout’ do pianista James P. Johnson que ele aprendeu ouvindo em uma pianola que tocava a música. Mais tarde, ele viria a ter aulas de piano com o próprio Johnson que o ensinou como fazer rolos para piano. E depois estudou com o pianista e compositor polonês naturalizado estadunidense, Leopold Godowsky, e teve aulas na ‘Juilliard School’.

Fats Waller começou a sua carreira em 1922, animando festas, como organista nos cinemas e como acompanhante em várias apresentações de ‘vaudeville’ - um gênero de entretenimento de variedades predominante nos Estados Unidos e Canadá do início dos anos 1880 ao início dos anos 1930 que tornou-se um dos mais populares tipos de empreendimento dos Estados Unidos; a cada anoitecer, uma série de números era levada ao palco, sem nenhum relacionamento direto entre eles. As suas primeiras gravações foram ‘Muscle Shoal Blues’ e ‘Birminham Blues’, em 1922. E colaborou depois com Alberta Hunter, Sidney Bechet, Jack Teagarden e Fletcher Henderson. Em 1927, co-escreveu algumas músicas com seu velho professor de piano James P. Johnson. Dois anos mais tarde escreveu a trilha sonora para o sucesso da Broadway, ‘Hot Chocolates’, com as letras fornecidas pelo seu amigo poeta e compositor Andy Razaf. Além das mais famosas composições dos dois, ‘Ain't Misbehavin' e ‘Honeysuckle Rose’, que se tornaram populares nas interpretações de Cab Calloway e Louis Armstrong.

Fats Waller

No final de 1932, Fats Waller contratou Phil Ponce como gerente que prontamente negociou um contrato com a WLW, uma poderosa estação de rádio de Cincinnati. Seu show, ‘Fats Waller Rhythm Club’, foi um sucesso instantâneo. Quando terminou o contrato, em 1934, Waller voltou para Nova York onde ele transmitiu o show pela rede CBS para um público ainda maior. O grande sucesso de Fats, no entanto, ocorreu em uma festa dada por George Gershwin, neste mesmo ano, onde ele encantou o público tocando o seu piano e cantando. Um executivo da ‘Victor Records’, que estava na festa ficou tão impressionado que indicou Fats para a gravadora que precisava de uma grande estrela para substituir Jelly Roll Morton que já não atendia o gosto do público.

Fats Waller decidiu manter a associação com o nome ‘Clube Rhythm’ e a maioria dos registros foi lançada sob o nome de ‘Fats Waller and his Rhythm’. E este contrato com a gravadora durou até a sua morte em 1943. ‘Rhythm’ era uma banda de estúdio, com diferentes músicos, de acordo com as datas e horários das gravações. Raramente os membros da banda sabiam de antemão quais músicas seriam gravadas e o talento coletivo do grupo conseguia fazê-las sem ensaio. Esta abordagem caótica foi um sucesso em parte por causa da consistência do pessoal de base, que incluía: Fats Waller no piano, Herman Autrey no trompete, Cedric Wallace no baixo, o saxofonista Eugene Sedric, o baterista Jones Slick e o guitarrista Albert Casey. O caos sem dúvida contribuiu para a espontaneidade que caracterizavam muitas das gravações.

Jones Slick, Herman Autrey,Fats Waller , Cedric Wallace, Albert Casey, Eugene Sedric

‘Fats Waller and his Rhythm’ (1938)
Jones Slick, Herman Autrey,Fats Waller , Cedric Wallace, Albert Casey, Eugene Sedric

O grupo era sempre composto por cerca de meia dúzia de músicos que trabalharam com ele regularmente, inclusive Zutty Singleton, um dos bateristas mais influentes do jazz que popularizou o uso de escovas e solos de bateria no jazz e teve algumas das melhores técnicas da época. Ao longo dos anos 30 e 40 Fats Waller era uma estrela do rádio e dos clubes, e excursionou pela Europa. E atuou em três filmes, inclusive ‘Stormy Weather’ tendo como parceira uma jovem Lena Horne e o cantor de jazz Cab Calloway. Ele morreu a bordo de um trem perto de Kansas City, Missouri, de pneumonia em 1943.

fats waller - georgia rockin' chair


fats waller - sugar blues (1935)

Sugar Blues (1935)
parte I    parte II

Tracklist
01. You're the Picture (I'm the Frame) 02. My Very Good Friend the Milkman 03. Blue Because of You 04. There's Going to Be the Devil to Pay 05. Twelfth Street Rag 06. There'll Be Some Changes Made 07. Somebody Stole My Gal 08. Sweet Sue, Just You 09. Truckin' 10. Sugar Blues 11. Just as Long as the World Goes Round and Round 12. Georgia Rockin' Chair 13. Brother, Seek and Ye Shall Find 14. The Girl I Left Behind Me 15. You're So Darn Charming 16. Woe! Is Me 17. Rhythm and Romance 18. Loafin' Time 19. (Do You Intend to Put an End To) A Sweet Beginning Like This 20. Got a Bran' New Suit 21. I'm on a See-Saw 22. Thief in the Night

The Very Best of Fats Waller (1940)

The Very Best of Fats Waller (1940)


Personnel: Fats Waller (vocal, piano, orgão); Bunny Berigan (trompete); Dick McDonough (guitarra); Rudy Powell (saxophone alto, clarinete); Slick Jones (bateria)
Tracklist: 01. Ain't Misbehavin' 02. Honeysuckle Rose 03. Handful of Keys 04. I'm Crazy 'Bout My Baby (And My Baby's Crazy 'Bout Me) 05. Smashin' Thirds 06. The Joint Is Jumpin' 07. Keeping Out Of Mischief Now 08. Squeeze Me 09. The Minor Drag 10. All That Meat And No Potatoes 11. The Jitterbug Waltz 12. I Ain't Got Nobody (And Nobody Cares For Me) 13. Lulu's Back In Town 14. I'm Gonna Sit Right Down (And Write Myself A Letter) 15. Somebody Stole My Gal 16. A Good Man Is Hard To Find 17. The Sheik Of Araby 18. Two Sleepy People 19. Your Feet's Too Big

5 comentários:

Zoltrix disse...

Já ouvi falar dele e acho que tenho alguma coisa com ele em vinil, mas faz tempo que não ouço, muito bom post. parabens por trazer os bons de volta, bjus.
(Joel)

Edison Junior disse...

Grande, Mara, sempre com ótimos álbuns! A propósito, já atendi ao seu pedido com relação aos adesivinhos religiosos. Bjs.

mara* disse...

Beijo Joel.

Игорь disse...

Olá Mara . Tô ouvindo aqui !

Sequestrado pelo Al Capone ( palavrão) e sai bebâdo e com $$$$ - adoro estas histórias loucas.

Hoje fico menos leigo ;)

beijos

mara* disse...

Pois é Игорь! Capone, como consta de relatos da época, era um Robin Hood da Chicago dos anos 20. Outro lado sensível era o seu romantismo, mandava sequestrar para ouvir a boa música e dividi-la com os seus comensais...rs...

Beijo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...