jazz in britain

posts relacionados
british blues
british rock’n’roll

O jazz britânico chegou a Grã-Bretanha através de gravações e artistas norte-americanos que visitaram o país enquanto ele era um gênero relativamente novo, logo após o fim da I Guerra Mundial. Ele começou a ser tocado por músicos britânicos nos anos 30 e ganhou popularidade em 1940, tocado nos salões pelas big bands. A partir do final dos anos 40 o moderno jazz britânico, altamente influenciado pelo bebop americano, começou a surgir e foi divulgado pelo compositor de jazz, saxofonista e clarinetista inglês John Dankworth e pelo saxofonista tenor e dono do clube de jazz Ronnie Scott, enquanto os trompetistas Ken Colyer e Humphrey Lyttelton e o pianista George Webb enfatizaram o jazz de New Orleans. A partir dos anos 60 o jazz britânico começou a desenvolver mais as suas características individuais e absorver uma variedade de influências, incluindo o blues britânico, bem como o europeu. Um grande número de músicos britânicos ganhou reputação internacional, embora tivessem uma participação minoritária dentro do próprio Reino Unido.

A History of Jazz In Britain 1919-50O livro ‘A History of Jazz In Britain 1919-50’ retrata a chegada do jazz no Reino Unido, a influência de músicos norte-americanos, a era big-band e depois o ‘bop’, o desenvolvimento do jornalismo especializado e os clubes de jazz e, sobretudo, as apresentações de músicos norte-americanos na Grã-Bretanha. De autoria de Jim Godbolt foi a primeira pesquisa verdadeiramente abrangente do fenômeno a partir de uma perspectiva puramente britânica. O livro traça a história do jazz no Reino Unido e não de jazz britânico. Apesar da já existente literatura de jazz antes de ter sido publicado pela primeira vez em 1984, não há nenhum outro livro para rivalizar com ele. O autor, que conviveu com o jazz ao longo da sua vida analisa em detalhes a chegada do jazz com a ‘Original Dixieland Jazz Band’ em 1919, a era das big bands e a extraordinária revolução causada pelo bop. Todos os artistas e as fulgurantes bandas do período são abordadas: Ted Lewis com Jimmy Dorsey e Muggsy Spanier, Louis Armstrong, Duke Ellington, Paul Whiteman, Cab Calloway, Dizzy Gillespie, Fats Waller, Benny Goodman, Sidney Bechet e muitos mais. A influência destes mestres sobre os músicos britânicos é examinada assim como os relatos da imprensa da época, alguns efusivos, outros ofensivos. As revistas especializadas, os clubes, a discografia e as raízes são discutidas. Além disso, o livro narra o duelo que se travou e culminou na apresentação de Sidney Bechet e Coleman Hawkins nos palcos britânicos em desafio à proibição do sindicato dos músicos ‘Musicians' Union’ que resultou em um fiasco judicial. O livro é referência indispensável para os aficionados do jazz e interessante e às vezes surpreendente para o leitor leigo.

Jim Godbolt nasceu no sul de Londres em 1922. Após ser dispensado da marinha, tornou-se empresário do pianista auto-didata, bandleader e dixielander (dixieland é um sub-gênero do jazz criado em 1910 em New Orleans) George Webb em 1946. George, assim como Jim, também era amante do jazz desde a adolescência e fundou o clube ‘Bexleyheath Rhythm Club’ onde ele e os adeptos do jazz se reuniam para ouvir música gravada principalmente dos seus ídolos: King Oliver e Louis Armstrong. George Webb em 1941 fundou a sua própria dixielander e foi apelidado de ‘pai do jazz tradicional britânico’. Jim Godbolt por sua vez, dirigia uma agência com Lyn Dutton e Humphrey Lyttelton em 1951, e fundou a sua própria em 1952 representando a ‘Magnolia Jazz Band’ de Mick Mulligan, trompetista e bandleader que tornou-se dono de cavalos de corrida, quando o rock’n’roll amorteceu o entusiasmo pelo jazz. Por mais de 60 anos Jim dedicou-se à música, trabalhando como jornalista, agente e gerente, não apenas para músicos de jazz, mas também para os grupos dos anos 1960. Em 1971, Jim deixou o negócio do entretenimento para se concentrar em sua carreira de escritor.

jazz in britain 1919-1950‘Jazz in Britain 1919-1950’ é um conjunto de 4 CDs gravados pela gravadora britânica ‘Proper Records’ para acompanhar a republicação do livro, publicado pela primeira vez em 1984. O autor do livro, Jim Godbolt, foi quem também reuniu as compilações. Tanto o livro quanto o conjunto de CDs receberam críticas, mas trata-se de uma visão sólida do jazz na Grã-Bretanha nos primeiros 30 anos da história. O conteúdo revela não só o talento britânico, por si só, mas também os demais músicos da Europa, Paris, principalmente, e claro, dos Estados Unidos. Entre as 101 faixas existem surpresas e raridades. No primeiro disco: ‘Fred Elizade & His Cambridge Undergarments’ em ‘Stomp Your Feet’, ‘Allan Selby And His Band’ no clássico ‘Love Me or Leaver Me’ e ‘Ted Lewis And His Band’ em ‘Sobbin' Blues’. Jimmy Dorsey com Spike Hughes fazem uma excelente leitura de ‘St. Louis Blues’. A partir do disco dois é documentado a ‘American Invasion’ com as apresentações de Cab Calloway, Duke Ellington, e Garland Wilson nas ilhas britânicas. Mas são com os praticamente desconhecidos por muitos que esta coleção encontra o seu maior charme com a inclusão de Buck and Bubbles, Duncan Whyte, Ambrose & His Orchestra, Danny Polo, Jack Hylton's Rhythmagicians, Ted Heath, Ala Dean & His Beboppers, Yorkshire Jazz Band, Graeme Bell & His Australian Jazz Band, Freddy Randall e outros.

Sentado no seu apartamento no quarto andar, em Lissenden Gardens, Dartmouth Park onde viveu por 30 anos, Jim Godbolt, com 82 anos, lembra-se das noites em claro em que tentava encontrar, nas milhares gravações, apenas 100 faixas. Bob Glass da loja ‘Ray’s Jazz’ em Shaftesbury Avenue se juntou a ele como colaborador e os dois analisaram CDs, LPs, EPs, 78s e catálogos de livros em uma busca agradável, mas maníaca. Nem o livro nem o conjunto de discos são acerca de jazz britânico em si, mas sobre o jazz na Grã-Bretanha.

Heróis do início do jazz britânico reunidos no clube de jazz do saxofonista tenor Ronnie Scott, no lançamento de ‘Jazz in Britain 1919-1950’. A partir da esquerda: Coleridge Goode, Tommy McQuater, Jim Godbolt e Frank Deniz.

Coleridge Goode, Tommy McQuater, Jim Godbolt and Frank Deniz

Ronnie Scott, originalmente Ronald Schatt, nasceu em Aldgate, leste de Londres, em uma família de ascendência judaica da Rússia por parte de pai e de portugueses do lado da mãe. Scott começou a tocar em pequenos clubes de jazz com dezesseis anos e foi um dos primeiros músicos britânicos a ser influenciado por Charlie Parker e outros do bebop. Ele é mais lembrado por fundar com o ex-saxofonista tenor Pete King, o ‘Scott Jazz Ronnie Club’.

Coleridge George Emerson Goode, notável baixista que colaborou com o saxofonista Joe Harriott. Goode era jamaicano e veio para a Inglaterra em 1934 para estudar no Royal Technical College em Glasgow e depois engenharia na Universidade de Glasgow. Ele já era um violinista clássico, mas se encantou com o jazz e assumiu o baixo após ouvir Count Basie, Duke Ellington, Billie Holiday e Louis Jordan, abandonando os seus planos de voltar para a Jamaica.

Mossie Thomas ‘Tommy’ McQuater foi trompetista escocês, notável por seu trabalho no Reino Unido com Bert Ambrose em 1930, e também em algumas gravações feitas com George Chisholm e Benny Carter.

Frank Deniz foi um dos primeiros guitarristas da Inglaterra, do movimento swing. Filho mais velho de um violinista de Cabo Verde, Frank estudou violino e banjo antes de se mudar definitivamente para a guitarra. Em 1937 mudou-se para Londres quando o swing norte-americano estava na moda nos círculos sociais da cidade.

HMV public jam session - tea for two


‘His Master's Voice’, abreviado para HMV, por muitos anos foi uma grande gravadora britânica. O nome foi cunhado em 1899 junto com a marca criada por Francis Barraud do cão Nipper da raça Jack Russel Terrier ouvindo um gramofone cilíndrico.

jazz in britain 1919-1950 CD 1    jazz in britain 1919-1950 CD 2    jazz in britain 1919-1950 CD 3    jazz in britain 1919-1950 CD 4

Jazz in Britain 1919-1950 (2005)
CD 1    CD 2    CD 3    CD 4

CD 1: The Twenties
01. Original Dixieland Jazz Band - At The Jazz Band Ball
02. Paul Whiteman & His Orchestra - Way Down Yonder In New Orleans
03. The Georgians - Snake's Hips
04. The Original Capitol Orchestra - Tiger Rag
05. Savoy Orpheans - Eccentric
06. Mound City Blue Blowers - Morning After Blues
07. Jack Hylton's Kit-Kat Band - Riverboat Shuffle
08. The Plantation Orchestra - Arabella's Wedding Day
09. Devonshire Dance Band - Sugar Foot Stomp
10. Fred Elizalde and His Cambridge Undergraduates - Stomp Your Feet
11. Bert Firman's Rhythmic Eight - You Don't Like It, Not Much
12. Bert Firman's Rhythmic Eight - Miss Annabelle Lee
13. Jack Hylton's Rhythmagicians - Grieving For You
14. Fred Elizalde's Savoy Hotel Band - Dixie
15. Jay Whidden & His New Midnight Follies Band - A Dicky Bird Told Me So
16. Eddie South & His Alabamians - Two Guitars
17. Fred Elizalde - Nobody's Sweetheart
18. Noble Sissles and His Orchestra - Miranda
19. Alan Selby and his Band - Love Me Or Leave Me
20. Philip Lewis and his Orchestra - That's A Plenty
21. Jack Hart and His Band - Song Of Dawn
22. Ted Lewis and His Band - Sobbin 'Blues
23. Jimmy Dorsey / Spike Hughes & His Three Blind Mice - St Louis Blues
24. Spike Hughes & His Orchestra - Funny, Dear, What Love Can Do
25. Night Club Kings - Allah's Hollidays
26. Billy Cotton & His Band - Bessie Couldn't Help It

CD 2: Louis and Duke Arrive
01. Spike Hughes & His Orchestra - Buddy's Wednesday Outing
02. Louis Armstrong & His Orchestra - Sunny Side Of The Street - Part 2
03. Duke Ellington & His Orchestra - Ain't Misbehavin '
04. Duke Ellington - Duke Ellington Talking To Percy Mathison Brooks
05. Duke Ellington & His Orchestra - Hyde Park
06. Madame Tussaud's Dance Band - Jazz Cocktail
07. Ray Noble & His Orchestra - Japanese Sandman
08. Jack Hylton & His Orchestra - Ellingtonia
09. Cab Calloway & His Orchestra - Jitter Bug
10. Joe Venuti & His Blue Four - Romantic Joe
11. Lew Stone & His Band - I Ain't Got Nobody
12. Valaida Snow / Billy Mason and his Orchestra - I Wish I Were Twins
13. Nat Gonella and His Georgians - Fascinating Rhythm
14. Gery Moore - Stars Fell On Alabama
15. Washboard Serenaders - Sheik Of Araby
16. Mario "Harp" Lorenzi And His Rhythmics - Some Of These Days
17. Duncan Whyte - Hummin 'To Myself
18. Nat Gonella and His Georgians - Singin 'The Blues
19. Benny Carter & His Orchestra - Nightfall
20. The Swing Rhythm Boys - Is It True What They Say About Dixie?
21. Garland Wilson - Just A Mood
22. Buck & Bubbles - Lady Be Good
23. Benny Carter & His Orchestra - Gin And Jive
24. Teddy Hill and His NBC Orchestra - King Porter Stomp
25. Ambrose and His Orchestra - Cotton Pickers' Congregation
26. Sid Phillips & his Orchestra - Amoresque
27. Danny Polo & His Swing Stars - Blue Murder Buddy's Wednesday Outing

CD 3: Jazz Takes Hold in the UK
01. Art Tatum - Sheik Of Araby
02. Danny Polo & His Swing Stars - If You Were The Only Girl In The World
03. Freddy Gardner & His Swing Orchestra - Have You Got Any Castles, Baby?
04. Una Mae Carlisle And Her Jam Band - I'm Crazy 'Bout My Baby
05. Fats Waller & His Rhythm - Ain't Misbehavin '
06. Le Quintette Du Hot Club De France - Lambeth Walk
07. Ken 'Snakehips' Johnson & His West Indian Dance Band - Snakehips Swing
08. Freddy Gardner & His Swing Orchestra - 10 AM Blues
09. Jack Hylton's Band With Coleman Hawkins - My Melancholy Baby
10. Harry Roy & His Orchestra - Darktown Strutters Ball
11. Blue Mariners with Jack Llewellyn - Stardust
12. Johnny Claes and His Clay Pigeons - I Heard
13. Harry Parry and His Radio Rhythm Club Sextet - The Java Joint
14. HMV Public Jam Session - Tea For Two
15. Cyril Blake and His Jig's Club Band - Blue Skies
16. Melody Maker Competition Band - Red Duster Rag
17. Phil Green & His Basin Street Band - Bugle Call Rag
18. Buddy Featherstonehaugh's RAF HQ Bomber Command Sextet - Buddy's Blues
19. Josephine Bradley and Her Jive Rhythm Orchestra - Rockin 'The Blues
20. Vic Lewis/Jack Parnell Jazzmen - I'm Comin 'Virginia
21. George Shearing Sextet - Five Flat Flurry
22. Leslie "Jiver" Hutchinson And His Coloured Orchestra - Swing Low Sweet Chariot
23. Vic Lewis/Jack Parnell Jazzmen - Dick's Boogie
24. Miff Ferrie and His Ferrymen - In A Little Spanish Town
25. Tony Short Trio With Wally Fawkes - 165 Blues
26. Ted Heath and His Music - Bakerloo Non-Stop
27. The Squadronaires - Hey Ba-Ba-Rebop

CD 4: Stylistic Turmoil
01. Harry Hayes and His Band - Blue Charm
02. Harry Hayes and His Band - Rckin 'In Rhythm
03. George Webb's Dixielanders - When The Saints Go Marching In
04. Melody Maker Columbia Jazz Rally - Blue Moon
05. Melody Maker Columbia Jazz Rally - Thriving On A Riff
06. The Ray Ellington Quartet - Five Guys Named Moe
07. Victor Feldman Quartet - Mop Mop
08. All Star Sextet - I Can't Get Started
09. Graeme Bell & His Australian Jazz Band - Shim-Me-Sha-Wabble
10. Freddy Randall & His Band - Wolverine Blues
11. Mark White Presents Jazz Club - Jazz Club Stomp
12. The Ronnie Scott's Club 11 Boptet - Wee Dot
13. Johnny Dankworth Quartet - Lover Man
14. Alan Dean and his Beboppers - Gone With The Windmill
15. Carlo Krahmer's Chicagoans - Blues In Thirds
16. Benny Goodman - BBC Broadcast Medley
17. Ted Heath & His Orchestra - Lyonia
18. The Yorkshire Jazz Band - Alexander's Ragtime Band
19. Sidney Bechet with Humphrey Lyttelton And His Band - Some Of These Days
20. Coleman Hawkins - It's Only A Paper Moon
21. Humphrey Lyttelton & His Band - Maple Leaf Rag

british rock’n’roll

posts relacionados
british jazz
british blues

British Rock’n’RollConsiderado, por muitos, como inferior ao da versão norte-americana, o rock britânico no entanto, foi um fator chave para o desenvolvimento posterior que em 1964, liderada pelos Beatles, levou à ‘British Invasion’, e que teve um impacto considerável em todo o mundo. As tentativas iniciais de imitar o rock’n’roll norte-americano aconteceram na Grã-Bretanha em meados dos anos 50, mas os termos ‘rock music’ e ‘rock’ geralmente se referiam à música derivada do ‘blues-rock’ e outros gêneros que surgiram durante a década de 60. O termo é frequentemente usado em combinação com outros termos para descrever uma variedade de sub-gêneros. E tendeu a ser mais orientado para o mercado de discos, enfatizando o virtuosismo e o desempenho dos artistas. Embora muito diverso o rock britânico já produziu muitos dos mais importantes grupos e artistas e iniciou ou desenvolveu significativamente muitos dos mais influentes sub-gêneros, incluindo beat music, progressive rock, heavy metal, punk, post punk, new romanticism e indie rock.

wee willie harrisNa década de 50 a Grã-Bretanha tinha sido exposta à cultura norte-americana através das tropas de soldados que ali estavam e embora não desfrutassem da mesma prosperidade econômica, além da língua em comum tinham semelhantes evoluções sociais e os jovens estavam acostumados aos estilos musicais norte-americanos em especial ao jazz tradicional e alguns precursores do rock’n’roll como o boogie-woogie e o blues. A partir daí surgiu em 1955 a mania ‘skiffle’, uma mistura de jazz, blues, folk e country e tocada com instrumentos pouco convencionais, geralmente caseiros ou usando instrumentos improvisados. Originário dos Estados Unidos na primeira metade do século XX tornou-se popular no Reino Unido em 1950, onde foi associada principalmente à Lonnie Donegan cuja versão do blues folk ‘Rock Island Line’ alcançou as paradas mundiais. Ao mesmo tempo, a juventude britânica estava começando a descobrir o rock’n’roll. Para muitos, foi através do filme ‘Blackboard Jungle’ de 1955, o primeiro a usar o rock’n’roll na trilha sonora e que deu o pontapé inicial para as vendas de ‘Rock Around the Clock’ de Bill Haley & His Comets, que ajudou a desencadear o ‘boom’ do rock.

tommy steeleEle também desencadeou o pânico moral quando os jovens freqüentadores de cinema rasgavam as poltronas ao dançar sobre elas o que ajudou a identificar o rock’n’roll como música de delinquentes o que levou a serem proibidas por estações de rádio e TV, tornando-se uma espécie de movimento de subsolo e amplamente adotado. No entanto o rock norte-americano tornou-se uma grande força nas paradas inglesas. Elvis Presley alcançou a segunda posição com ‘Heartbreak Hotel’ em 1956 e teve mais nove singles entre as trinta daquele ano. ‘All Shook Up’ foi primeiro lugar em 1957 e não houve mais concorrentes para ele e também para ‘Buddy Holly and the Crickets’ e Jerry Lee Lewis nos dois anos seguintes. A resposta inicial da indústria da música britânica foi a tentativa de produzir cópias exatas de discos norte-americanos. Foram muitas vezes gravados com músicos contratados, mas faltava a energia e espontaneidade que caracterizavam o rock’n’roll norte-americano. Eram jovens contratados na tentativa de penetrar no mercado emergente já que o estilo 'skiffle' estava em declino.

cliff richardA Wee Willie Harris foi creditado como sendo o primeiro, mas foi Tommy Steele que provou ser o mais bem sucedido a essa vaga, e um dos primeiros a ser rotulado como o ‘Elvis britânico’. Ele chegou ao Top 20 com ‘Rock with the Caveman’ e em primeiro com ‘Singing the Blues’ em 1956. Outra resposta ao rock norte-americano foi com ‘Bloodnok's Rock'n'Roll Call’ gravada por ‘The Goons’ que alcançou o terceiro lugar. Mesmo assim, o produto americano manteve-se dominante. No entanto, este processo foi importante para a orientação da indústria fonográfica britânica investir nas bandas. Mesmo assim, em 1958 a Grã-Bretanha produziu o seu primeiro autêntico rock’n’roll e sua primeira grande estrela, Cliff Richard, a grande resposta para Elvis Presley e um dos mais populares cantores do país até a chegada dos Beatles, e os ‘Drifters’ com a música ‘Move It’ que conseguiu combinar blues com rock’n’roll. Cliff Richard e a banda instrumental de apoio ‘The Shadows’, foram os mais bem sucedidos da época. ‘The Shadows’, e particularmente o guitarrista Hank Marvin, foram muito influentes para a geração seguinte de músicos, ajudando a cimentar o line-up de bateria, baixo, ritmo e guitarras das futuras bandas britânicas. Já, para alguns, o trabalho de Cliff Richard é visto como uma imitação sem graça de Elvis e do rock’n’roll.

British InvasionEm meio a vitalidade limitada dos anos 50 e início dos anos 60 no rock’n’roll britânico havia alguns artistas mais dinâmicos como Billy Fury, cujos trabalhos acompanhados pela guitarra de Joe Brown são considerados os melhores da época. Assim como Tony Sheridan, Vince Taylor e ‘Screaming Lord Sutch and the Savages’. O único que tem sido descrito como o 'pré-Beatle' é ‘Johnny Kidd & The Pirates’, cuja canção ‘Shakin 'All Over’ conseguiu tornar-se um marco do rock’n’roll. O rock’n’roll britânico declinou acentuadamente depois de 1962. Principalmente Cliff Richard que praticamente desapareceu do mapa, quando grupos de R&B começaram a dominar. Muitos continuaram as suas carreiras, mas o sucesso era raro. Artistas britânicos antes de 1963 eram quase desconhecidos. Mesmo na Grã-Bretanha a sua importância era limitada. Com a chegada das ‘british blues bands’ como ‘The Rolling Stones’, ‘The Yardbirds’, Eric Clapton, ‘Fleetwood Mac’ e ‘Led Zeppelin’ derivadas do blues americano atingiram o auge da popularidade na década de 60 quando desenvolveram um estilo distinto e influente dominado pela guitarra elétrica e como resultado o blues britânico ajudou a formar muitos dos sub-gêneros do rock.

johnny kidd & the pirates - shakin all over


‘British Rock’n’Roll Anthology’ oferece esta excelente visão da era pré-Beatles do rock britânico, iluminando esse tempo a partir de meados dos anos 50. Além da homenagem aos precursores Wee Willie Harris e Tommy Steele, existem algumas raridades que não foram hits na época, mas agora são de importância histórica: Tom Jones com ‘Chills and Fever’, o pré-Who ‘The High Numbers’ em ‘I'm The Face’ e a versão de Rod Stewart para ‘Good Morning Little Schoolgirl’, que tem sido regravada inúmeras vezes ao longo das décadas. Assim como os clássicos do autêntico rock britânico ‘Shakin' All Over’ por ‘Johnny Kidd and the Pirates’ e Vince Taylor com ‘Brand New Cadillac’. Além de alguns exemplares inferiores, tem a versão estranha e intrigante de Marion Ryan para ‘Why Do Fools Fall In Love’, um original norte-americano. E ‘Lord Rockingham's XI’, um grupo de jazzistas que se aventurou na nova moda, o rock’n’roll. A grande omissão é em relação a Cliff Richard, mas no geral o álbum é uma introdução muito boa para os não especialistas.

British Rock’n’ Roll Anthology (2009)

British Rock’n’ Roll Anthology (2009)
CD 1    CD 2    CD 3    CD 4    CD 5

Tracklist CD 1
01. Tommy Steele & The Steelmen - Rock With The Caveman
02. Lonnie Donegan - Cumberland Gap
03. Jim Dale - Be My Girl
04. Lord Rockingham's XI - Hoots Mon!
05. Marty Wilde - A Teenager In Love
06. Johnny Kidd & The Pirates - Shakin' All Over
07. Adam Faith - Poor Me
08. Joe Brown & The Bruvvers - A Picture Of You
09. The Viscounts - Who Put The Bomp (In The Bomp Bomp Bomp)
10. Jet Harris - Man With The Golden Arm
11. Tommy Bruce & The Bruisers - Ain't Misbehavin'
12. Eden Kane - Well I Ask You
13. Billy Fury - Wondrous Place
14. The Tornados - Telstar
15. Chris Farlowe - Air Travel
16. Tom Jones - Chills And Fever
17. The High Numbers - I'm The Face
18. Joe Cocker - I'll Cry Instead
19. The Beatles - Ain't She Sweet

Tracklist CD 2
01. Lonnie Donegan - Rock Island Line
02. Marion Ryan - Why Do Fools Fall In Love
03. Terry Dene - Start Movin' (In My Direction)
04. Colin Hicks - Wild Eyes And Tender Lips
05. Tommy Steele & the Steelmen - Tallahassee Lassie
06. Marty Wilde - Bad Boy
07. Joe Brown & the Bruvvers - Darktown Strutters Ball
08. Jet Harris - Besame Mucho (Kiss Me)
09. The Brook Brothers - Warpaint
10. Cliff Bennett & The Rebel Rousers - You've Got What I Like
11. Davy Jones - Amapola
12. Helen Shapiro - Don't Treat Me Like A Child
13. The Shadows - Wonderful Land
14. Bern Elliot & The Fenmen - Money
15. Dave Berry - My Baby Left Me
16. Wayne Fontana & The Mindbenders - Hello Josephine
17. The Animals - Baby Let Me Take You Home

Tracklist CD 3
01. Frankie Vaughan - Green Door
02. Lonnie Donegan - Don't You Rock Me Daddy-O
03. Anthony Newley - Idle On Parade
04. Terry Dene - Pretty Little Pearly
05. Marty Wilde - Endless Sleep
06. Craig Douglas - Nothin' Shakin'
07. Billy Fury - Maybe Tomorrow
08. Mort Shuman - Turn Me Loose
09. The Jetstreams - Bongo Rock
10. Eden Kane - Get Lost (In My Arms)
11. Lyn Cornell - I Sold My Heart To The Junkman
12. Nero & The Gladiators - Entry Of The Gladiators
13. Jimmy Powell - Sugar Babe [Part 2]
14. Cyril Davies - Country Line Special
15. Georgie Fame - Do The Dog
16. Jimmy Justice - Bloodshot Eyes
17. The Marauders - That's What I Want
18. The Mojos - Everything's Alright
19. The Spencer Davis Group – Dimples

Tracklist CD 4
01. Tony Crombie & The Rockets - Teach You To Rock
02. Four Jones Boys - Tutti Frutti
03. Frankie Vaughan - These Dangerous Years
04. The Southlanders - The Mole In The Hole
05. Joey Castell - I'm Left, You're Right, She's Gone
06. Wee Willie Harris - Love Bug Crawl
07. Ted Heath & His Music - Tequila
08. Vince Eager & The Vagabonds - Yea Yea
09. Tommy Steele & The Steelmen - Come On, Let's Go
10. Sally Kelly - Little Cutie
11. The Viscounts - Shortnin' Bread
12. Rhet Stoller - Chariot
13. Louise Cordet - I'm Just A Baby
14. Lee Diamond & The Cherokees - I'll Step Down
15. Jet Harris & Tony Meehan - Diamonds
16. Steve Marriott - Give Her My Regards
17. The Dennisons - Walking The Dog
18. The Undertakers - Just A Little Bit
19. Rod Stewart - Good Morning Little Schoolgirl

Tracklist CD 5
01. Tommy Steele & The Steelmen - Singing The Blues
02. Frankie Vaughan - Seventeen
03. The Goons - Bloodnok's Rock 'n' Roll Call
04. Petula Clark - Baby Lover
05. Lord Rockingham's XI - Wee Tom
06. Marty Wilde - Honeycomb
07. Most Brothers - Whole Lotta Woman
08. Wee Willie Harris - Rockin' At The Two I's
09. Terry Dene - Baby She's Gone
10. Vince Taylor & The Playboys - Brand New Cadillac
11. The Viscounts - Rockin' Little Angel
12. Lonnie Donegan - Have A Drink On Me
13. Joe Brown & The Bruvvers - I'm Henry The Eighth I Am
14. Billy Fury & The Four Jays - That's Love (Alt. Take)
15. Peter Jay & The Jaywalkers - Can Can 62
16. Casey Howie & The Seniors - True Fine Mama
17. The Big Three - Some Other Guy
18. Lulu & The Luvvers - Shout

2I's Coffee Bar 1959

2I's Coffee Bar (1959)

Muitos dos artistas apresentados em ‘British Rock'n'Roll at Decca’ começaram a carreira no lendário ‘2I’s Coffee Bar’, o berço do rock’n'roll britânico. O ‘2I's Coffee Bar’ em Soho, Londres, entre 1956 e 1967 era propriedade do australiano Paul Lincoln. Diz a lenda que o nome refere-se aos proprietários anteriores, dois irmãos chamados Irani. O bar tinha música ao vivo e várias estrelas foram descobertas tocando aí, assim como: Wee Willie Harris, Rory Blackwell, Tommy Steele, ‘The Vipers Skiffle Group’, Cliff Richard, Hank Marvin, Terry Den, Carlo Little, Joe Brown, Eden Kane, Screaming Lord Sutch, Jay Chance, Tony Sheridan, Johnny Kidd, Jet Harris, Paul Gadd, que mais tarde seria conhecido como Paul Raven e Gary Glitter, Dene Lincoln, Ritchie Blackmore, Alex Wharton, Mickie Most, Bill Kent e Big Jim Sullivan. O ‘skiffle’ era novidade no Reino Unido e, em particular no ‘2I's Café Bar’ e no ‘The Cat's Whisker’, um outro bar, também em Soho, fundado por Peter Evans e que também oferecia rock’n’roll cujos músicos eram pagos com café e Coca-Cola.

Em ‘British Rock'n'Roll at Decca’ estão muitos dos melhores sucessos dessa época de ouro e foram retirados dos arquivos da ‘Decca Records’, uma famosa gravadora que negou aos Beatles uma chance de gravar, do que se arrependeu mais tarde. No Volume 1 que abrange o periodo entre 1957-1961 estão sucessos como ‘Riot in Cell Block No.9’ e ‘Love Bug Crawl’ (Wee Willie Harris), ‘Be My Girl’ (Don Fox), ‘Whole Lotta Woman’ (The Most Brothers), ‘Who Could Be Bluer?’ e Plain Jane (Eddie Hickey).

O Volume 2 mostra que os britânicos assumiram com paixão o rock’n’roll dos norte-americanos. Este segundo volume inclui quatro faixas do famoso cantor e ator Anthony Newley. ‘Idle on Parade' de 1959 é também o nome do filme no qual Anthony desempenhou o papel do cantor Jeep Jackson, uma paródia de Elvis Presley. Muitos outros estão neste volume, assim como algumas surpresas: Chris Barber, mais tarde um famoso trombonista de jazz, ‘The Graham Stewart Seven’ e o falecido George Melly com seu estilo vocal inimitável.

O terceiro volume abrange os anos 1957-1963 e contém raros e cobiçados lançamentos da Decca. Particularmente ‘Screaming Lord Sutch’, assim como o guitarrista e compositor Rhet Stoller.

British Rock 'n' Roll at Decca 1957-1961    British Rock 'n' Roll at Decca 1957-1961    British Rock 'n' Roll at Decca 1957-1961

British Rock'n'Roll at Decca (2008)
volume 1    volume 2    volume 3

Tracklist: Volume 1
01. Wee Wille Harris - Rosie Lee
02. Wee Wille Harris - Love Bug Crawl
03. Wee Wille Harris - No Chemise Please
04. Wee Wille Harris - Got A Match
05. Wee Wille Harris - Wild One
06. Wee Wille Harris - Little Bitty Girl
07. Wee Wille Harris - Riot In Cell Block No.9
08. Wee Wille Harris - Rockin' At The Two I's
09. Wee Wille Harris - Back To School Again
10. Wee Wille Harris - Smack Dab In The Middle
11. Little Tony - Hippy Hippy Shake
12. Little Tony - Hey Little Girl
13. Little Tony - Too Good
14. Eddie Hickey - Plain Jane
15. Eddie Hickey - Who Could Be Bluer
16. Lisa Noble - Maggie! - Yes Ma!
17. Lisa Noble - Who's Sorry Now Lisa Noble
18. The Most Bros - Whistle Bait
19. The Most Bros - Whole Lotta Woman
20. The Most Bros - Teen Angel
21. The Three Barry Sisters - Tall Paul
22. The Jetstreams - Bongo Rock
23. Joey Castell - I'm Left You're Right She's Gone
24. I'm A Man
25. Mort Shuman - Be My Girl Don Fox
26. The Lindys - Train Of Love
27. Nero And The Gladiators - In The Hall Of The Mountain King
28. The Worried Men - Fraulein
29. The Worried Men - This Little Light
30. The Worried Men - Nine Hundred Miles From Home

Tracklist: Volume 2
01. Anthony Newley - Saturday Night Rock-A-Boogie
02. Anthony Newley - I've Waited So Long
03. Anthony Newley - Idle On Parade
04. Anthony Newley - Idle Rock-A-Boogie
05. Dickie Bennett - Dungaree Doll
06. Four Jones Boys - Tutti Frutti
07. Four Jones Boys - Priscilla
08. Five Smith Brothers - A-B-C Boogie
09. Southlanders - Alone
10. Betty Smith Group - Hand Jive
11. Vic Chester - Rock-A-Billy
12. Morris & Mitch - Bird Dog
13. Gerry Dorsey - Crazy Bells
14. Bobby Tempest - Love Or Leave
15. Terry White & The Terriers - Blackout
16. Lyn Cornell - Demon Lover
17. Derry Hart & The Heartbeats - Come On Baby
18. Cutters - I've Had It
19. Cutters - Rockaroo
20. Rhet Stoller - Walk Don't Run
21. Beryl Wayne - Gypsy In My Soul
22. Johnny Grant - All Of Me
23. Blue Jeans - Lonesome Traveller
24. Blue Jeans - When I Get To Glory
25. Graham Stewart Seven - Black Bottom Stomp
26. Graham Stewart Seven - Song Of The Swanee
27. George Melly - This Train
28. Chris Barber - I Never Knew What A Girl Could Do
29. Morris & Mitch - I'm Not A Juvenile Delinquent

Tracklist: Volume 3
01. Annette Klooger - Tra La La
02. The Confrey Phillips Trio - Hokey-Kokey Rock'n'roll
03. The Confrey Phillips Trio - Shotgun Rock'n'roll
04. Dickie Bishop & The Sidekicks - No Other Baby
05. The Stargazers - You Won't Be Around
06. The Most Brothers - I'm Comin' Home
07. The Most Brothers - Dottie
08. The Most Brothers - Don't Go Home
09. Jackie Dennis - Linton Addie
10. Joy & David - Rockin' Away The Blues
11. Terry White & The Terriers - Rock Around The Mailbag
12. Eddie Hickey - Lady May
13. Johnny's Boys - Sleep Walk
14. Little Tony & His Brothers - I Can't Help It
15. Stevie Marsh - If You Were The Only Boy In The World
16. Little Tony & His Brothers - Foxy Little Mama
17. Rhet Stoller - Chariot
18. Mike Berry With The Outlaws - Will You Still Love Me Tomorrow
19. Nero & The Gladiators - Entry Of The Gladiators
20. Nero & The Gladiators - The Trek To Rome
21. Garry Mills - Bless You
22. Robb Storme & The Whispers - Earth Angel
23. Don Lang & His Boulder Rollers - Wicked Women
24. Don Lang & His Boulder Rollers - Play Money
25. Billy Boyle - My Baby's Crazy Bout Elvis
26. The Mudlarks - I've Been Everywhere
27. Screaming Lord Sutch - Jack The Ripper
28. Screaming Lord Sutch - Don't You Just Know It
29. Screaming Lord Sutch - I'm A Hog For You
30. Screaming Lord Sutch - Monster In Black Tights

girlschool

mulheres no rock'n'roll
chrissie hynde = the pretenders
crucified-barbara
dolores o'riordan = the cranberries
doro pesch = warlock
imelda may
janis joplin
joan jett | lita ford = the runaways
siouxsie and the banshees
wendy o williams = plasmatics

Girlschool‘Girlschool’ foi uma das primeiras bandas femininas de heavy metal. Uma das únicas bandas femininas da N.W.O.B.H.M. (New Wave of British Heavy Metal) um movimento muito forte entre 1979 e 1984 que surgiu quando bandas clássicas e já consagradas de metal como Deep Purple, Led Zeppelin e Black Sabbath foram perdendo espaço para o movimento punk. E o movimento lançou nomes como Iron Maiden, Def Leppard, Diamond Head, Venom e outros. ‘Girlschool’ formado em Londres, em 1977, foi a resposta inglesa às ‘Runaways’, protegidas pelos punks. Muito mais agressivas e nada bonitas, as meninas britânicas foram apadrinhadas por Lemmy Kilminster, baixista, vocalista e líder do ‘Motorhead’. E assim começaram a atrair atenções quando lançaram ‘The St. Valentines Day Massacre’ com o ‘Motörhead’ e maldosamente foram alcunhadas pela expressão machista ‘o motörhead de saias’. Dentre as várias músicas de destaque da banda estão os covers ‘Bomber’ do Motörhead, que pode ser conferido no game ‘Brutal Legend’; ‘20th Century Boy’ do T-Rex e ‘Tush’ do ZZ Top. E ‘Girlschool’ não era apenas mais um espetáculo excêntrico, e deveria ser reverenciada tanto por homens como por mulheres por fornecerem uma alternativa de hard rock e heavy metal em seus estágios iniciais.

Embora as ‘Runaways’ as tenham precedido por vários anos, ‘Girlschool’ foi a primeira banda feminina a emergir no mundo dominado pelos homens do heavy metal e hard rock, ajudando assim a pavimentar o caminho para grupos semelhantes no futuro. Originalmente formada no sul de Londres em 1977 pela baixista Enid Williams, a vocalista e guitarrista Kim McAuliffe e a baterista Tina Gayle, o grupo era conhecido como ‘Painted Lady’. Depois de tocarem em pubs locais e de várias mudanças vieram a guitarrista e vocalista Kelly Johnson e a baterista Denise Dufort e o nome foi mudado para ‘Girlschool’ em 1978. E caíram na estrada em turnê pela França, Irlanda e Reino Unido. Com a Inglaterra prestes a ser varrida pelo movimento N.W.O.B.H.M. a banda escolheu um momento perfeito para lançar o single de estréia, ‘Take It All Away’, pela gravadora independente ‘City Records’ que chamou a atenção dos ‘Motörhead’ e de seu empresário Doug Smith, que por sua vez, passou a gerenciar a banda das meninas. Apoiando as turnês de ‘Motörhead’ e ‘Budgie’, conseguiram um contrato com a ‘Bronze Records’ que na época era o lar dos notáveis do metal: os seus padrinhos, Uriah Heep e Juicy Lucy

girlschool 2

A estréia do quarteto deu-se em 1980, com ‘Demolition’ que chegou às paradas do Reino Unido. Seguiram-se turnês pela Europa como banda de apoio de ‘Uriah Heep’ e ‘Black Sabbath’. O segundo álbum, ‘Hit & Run’, de 1981 fez mais sucesso, enquanto ‘The St. Valentines Day Massacre’ em colaboração com os seus amigos do ‘Motörhead’ ficou entre os primeiros na parada britânica em parte devido à faixa ‘Please Don't Touch’. ‘Hit & Run’ também foi lançado, pela primeira vez nos Estados Unidos, embora com músicas diferentes da versão original do Reino Unido. Os álbuns‘Screaming Blue Murder’ de 1982 e ‘Play Dirty’ de 1983 não conseguiram competir com o impressionante sucesso dos anteriores devido ao som que ficou mais light e o visual carregado do hard rock californiano com muito laquê nos cabelos o que contribuiu para as vendas despencarem.

girlschool 3

E o resultado foram mudanças na formação. Kelly Johnson deixou o grupo e foi substituída por Cris Bonacci na guitarra e nos vocais por Jackie Bodimead. Outros álbuns posteriores foram emitidos, mas as ‘Girlschool’ nunca mais foram capazes de replicar o sucesso anterior, levando a banda à dissolução logo após o lançamento de ‘Take a Bite’ em 1988. Na década de 90, se reuniram esporadicamente para turnês enquanto álbuns ao vivo e várias compilações foram lançadas para sustentar seu respeitável nome. O retorno aconteceu em 2001, com a formação original, mas Kelly Johnson saiu novamente em 2003 e faleceu de câncer na medula em 2007 sendo substituída por Jackie Chambers. Os álbuns ‘Believe’, de 2004, e ‘Legacy’, de 2008 apresentam uma banda mais madura.

girlschool

‘Legacy’ com participações especiais de Tony Iommi (Black Sabbath), Ronnie James Dio (Black Sabbath, Rainbow), Phil Campbell e Lemmy (Motörhead), Fast Eddie Clarke (Fastway, ex-Motörhead), Eddie Ojeda e J.J. French (Twisted Sister) e Neil Murray (ex-Black Sabbath) mostra o verdadeiro legado das ‘Girlschool’. O guitarrista Fast Eddie Clark é ouvido em ‘Metropolis’, um cover de Motörhead, enquanto o líder, Lemmy Kilmister aparece em ‘Don't Talk to Me’. O grande Ronnie James Dio e o guitarrista Tony Iommi, companheiros no ‘Black Sabbath’ no início de 1980, estão reunidos em uma das duas versões de ‘I Spy’. O guitarrista J.J. French do ‘Twisted Sister’ está nos solos de ‘Spend Spend Spend’. Mas, as atrações são mesmo as meninas, Kim McAuliffe (vocal/guitarra), Enid Williams (vocal/baixo), Jackie Chambers (guitarra) e Denise Dufort (bateria).

girlschool - take it all away


girlschool - st valentines day massacre (1981)    girlschool - legacy (2008)

St Valentine’s Day Massacre EP (1981)
(Motörhead & Girlschool)

Legacy (2008)

Tracklist: St Valentine’s Day Massacre
01. Please Don't Touch 02. Emergency 03. Bomber

Tracklist: Legacy
01. Everything's the Same 02. From The Other Side 03. I Spy (Girlschool Mix) 04. Spend Spend Spend 05. Whole New World 06. Just Another Day 07. Legend (A Tribute to Kelly Johnson) 08. Still Waters 09. Metropolis (Motorhead Cover) 10. Mess Around 11. Zeitgeist 12. Don't Talk To Me 13. I Spy (Dio/Iommi Mix) 14. London 15. Emergency

girlschool - the collection (1991)

The Collection (1991)
CD 1    CD 2

Tracklist: CD 1
01. Take It All Away 02. It Could Be Better 03. Emergency 04. Furniture Fire 05. Nothing To Lose 06. Baby Doll 07. Race With The Devil 08. Take It All Away (Alternate Version) 09. Yeah Right 10. The Hunter 11. Please Don't Touch (Headgirl) 12. Emergency (Motorhead feat. Denise Dufort) 13. Bomber 14. Hit And Run 15. Tonight 16. C'mon Let's Go 17. Tonight [live version] 18. Demolition Boys [live version] 19. Don't Call It Love 20. Wildlife 21. Don't Stop 22. 1-2-3-4 Rock 'N' Roll 23. Tush 24. 20th Century Boy 25. Breaking The Rules

Tracklist: CD 2
01. I'm The Leader Of The Gang 02. Burning In The Heat 03. Surrender 04. Never Too Late 05. Demolition Boys [studio version] 06. Kick It Down 07. Screaming Blue Murder 08. Flesh And Blood 09. Play Dirty 10. I Like It Like That [previously unreleased] 11. Play With Fire 12. Tiger Feet 13. Fox On The Run 14. Head Over Heels 15. This Time 16. Too Hot To Handle 17. All Day All Night 18. Up All Night 19. Action 20. Future Flash 21. Back For More 22. Yeah Right

girlschool - the singles (2007)

The Singles (2007)
CD 1    CD 2

Tracklist: CD 1
01. Take It All Away 02. It Could Be Better 03. Emergency 04. Furniture Fire 05. Nothing To Lose 06. Baby Doll 07. Race With The Devil 08. Take It All Away [new version] 09. Yeah Right 10. Hunter 11. Please Don't Touch (Headgirl) 12. Bomber 13. Hit And Run 14. Tonight 15. Tush 16. C'mon Let's Go 17. Tonight [live] 18. Demolition [live]

Tracklist: CD 2
01. Wildlife 02. Don't Call It Love 03. Don't Stop 04. 1 2 3 4 Rock 'N' Roll 05. Tush [new version] 06. Don't Call It Love [new version] 07. 1 2 3 4 Rock 'N' Roll [12" version] 08. 20th Century Boy 09. Breaking All The Rules 10. Like It Like That 11. Burning In The Heat 12. Surrender 13. I'm the Leader Of The Gang 14. Never Too Late 15. I'm the Leader Of The Gang [12" version] 16. Head Over Heals 17. Action 18. Nothing To Lose [demo version] 19. Not for Sale [demo version]

new orleans jazz

new orleans jazzNo século 19, New Orleans era um próspero porto e uma das mais cosmopolitas cidades da América. Continha uma mistura picante de raças e etnias, incluindo os europeus, africanos, crioulos, termo que se referia ao escravo negro nascido nas Américas, e outros. Desde os primórdios da história de New Orleans, os negros coexistiram com os brancos de origem européia. Alguns eram ex-escravos que conseguiram comprar sua liberdade. Milhares chegaram à New Orleans de Saint-Domingue (atual Haiti), após as revoltas de escravos no fim dos anos 1700 e início de 1800. Muitos também vieram de Cuba depois de 1809. Esta grande variedade deu a New Orleans uma cultura única, e todos os ingredientes necessários para preparar um novo estilo de música.

A cidade tem um lugar de destaque no início do desenvolvimento do jazz. Uma cidade portuária com portas abertas aos sons coloridos do Caribe e do México e uma grande população negra bem estabelecida. E a crescente cidade estava madura para o desenvolvimento da nova música na virada do século. New Orleans foi o lar de grandes clarinetistas como Johnny Dodds, Jimmy Noone e Sidney Bechet. E de grandes cornetistas que chegaram. Primeiro Joe ‘King’ Oliver que veio de Louisiana e foi professor da futura estrela, o trompetista Louis Armstrong. Joe ‘King’ Oliver foi seu mentor e professor e sua influência foi tal que Armstrong afirmou: se não tivesse sido por Joe Oliver, o jazz não seria o que é hoje. Depois de Mississippi chegou à New Orleans, juntamente com outros músicos influentes, Jelly Roll Morton.

new orleans jazz 1870

New Orleans (1870)

A partir de 1817, os escravos negros de New Orleans foram autorizados a dançar e cantar nas tardes de domingo, na ‘Congo Square’, perto do bairro francês. Centenas se reuniam para as celebrações. Alguns cantavam as músicas entoadas nas plantações de algodão que eram derivações dos cantos da Igreja Batista. Outros dançavam ao som das batidas tribais dos caribenhos. Ainda outros mostravam as danças africanas transmitidas através de gerações. À medida que o século avançava a música de New Orleans também foi influenciada pela arte dos menestréis, que se tornou extremamente popular e foi responsável pela popularização da música e da dança, principalmente o sapateado. A música era escrita por negros e brancos e dominou as paradas por décadas e produziu alguns dos primeiros compositores afro-americanos de sucesso.

king oliver's creole jazz band (1921)

King Oliver's Creole Jazz Band (1921)

Na década de 1890, New Orleans já era um caldeirão musical. Em seguida, o ragtime e o blues chegaram. O ragtime era uma música dançante, que combinava elementos de marchas militares, música européia e a arte dos menestréis. Os jovens adoravam. Seus pais odiavam. O blues chegou na mesma época, trazido por negros refugiados provenientes de outros estados do Sul, que vieram para New Orleans para escapar ao ódio racial e aos campos de algodão. Basicamente, o jazz de New Orleans nasceu quando os músicos negros e os crioulos adicionaram ragtime e estilos de blues à mistura já potente da música que tocavam e sobre tudo improvisavam. Enquanto a secção rítmica, termo que designa um grupo de instrumentos musicais, tocava uma música, um trombetista interrompia mostrando seu talento e habilidade. E depois outros também o faziam e assim, a improvisação tornou-se a essência do jazz.

Um pianista crioulo chamado Jelly Roll Morton foi o primeiro homem a escrever melodias do jazz original, e ele alegou ter ‘inventado’ o jazz. Mas a tradição diz que o trompetista e barbeiro Buddy Bolden foi o primeiro homem a liderar uma banda de jazz real. Buddy Bolden foi internado num hospício em 1907 e lá permaneceu até sua morte em 1931. Até então, os sucessores como King Oliver e Louis Armstrong tinham levado o jazz a um novo patamar de popularidade e para outras cidades como Chicago e Nova York. A música nascida em New Orleans é considerada a mais importante. Como uma linguagem musical, o jazz através dos negros das Américas a partir da batida sincopada do ragtime, das fanfarras e dos coros de gospel misturado aos gritos dos campos de algodão e ao rosnado profundo do blues foi exportado para todo o mundo.

E em New Orleans, eles te mandam para o outro lado em grande estilo

jazz funeral

As ‘brass bands’, um grupo musical em geral, constituído exclusivamente por instrumentos de metal, para o conforto das famílias, tocam durante os funerais. O ‘jazz funeral’ começa sombrio. Em seu caminho para o cemitério, a banda de metais executa tristes hinos fúnebres chamados ‘lamúrias’. ‘Nearer My God to Thee’ é a escolha mais popular, mas pode ser qualquer outra música que lembre aos enlutados os altos e baixos da vida. Este tom sombrio dura até que a procissão resolve mandar o carro fúnebre para o destino final, o cemitério. É neste ponto que a banda de repente passa a tocar ‘When the Saints Go Marching In’ ou ‘Didn’t He Ramble,’ ou talvez ‘Lil Liza Jane’. E os próprios enlutados, parentes e carpideiras, dançam com abandono selvagem. Eles vão freqüentemente enfeitados com guarda-chuvas, e os transeuntes são convidados, com sorrisos e alegria, a participarem da comemoração. Este funeral remonta a antigas tradições africanas dos iorubás da África Ocidental. Uma crença de que a vida acabou neste mundo, mas um espírito corre livre e solto e aqueles que vivem em luto podem deleitar-se com o conhecimento de que seu parente ou velho amigo estará dançando do outro lado com o coração cheio de alegria.

jazz funeral

johnny dodds & his chicago boys - melancholy


new orleans jazz (2003)

New Orleans Jazz (2003)
CD 1    CD 2    CD 3

Tracklist CD 1
01. Bix Beiderbecke & The Wolverines - Tiger Rag
02. Bix Beiderbecke & Paul Whiteman & His Orchestra - Mississippi Mud
03. Jimmie Noone & His new Orleans Band - Sweet Georgia Brown
04. The Capitol Jazz Band - Clambake In B Flat
05. Kid Ory & His Creole Jazz Band - Suger Foot Stomp
06. Louis Armstrong & His Hot Five - Yes! I'm In The Barrel
07. The New Orleans Wanderers - Gatemouth
08. Johnny Dodds' Black Bottom Stompers - When Erastus Plays His Old Kazoo
09. Bennie Moten's Kansas City Orchestra - Moten Swing
10. Hot Lips Page & His Band - Skull Duggery
11. Hot Lips Page & His Band - Gone With The Gin
12. Artie Shaw & His Orchestra - Blues In The Night
13. The 'V' Disc Allstars - The Sheik of Araby
14. Hot Lips Page & His Orchestra - They Raided The Joint
15. King Oliver's Creole Jazz Band - Canal Street Blues
16. King Oliver's Creole Jazz Band - Dipper Mouth Blues
17. King Oliver's Jazz Band - Riverside Blues
18. King Oliver & His Dixie Syncopaters - Showboat Shuffle
19. King Oliver & His Dixie Syncopaters - Willie The Weeper
20. King Oliver & His Dixie Syncopaters - Farewell Blues

Tracklist CD 2
01. Jimmie Noone & His New Orleans Band - 'Way Down Yonder In New Orleans
02. Dixie Syncopators - Deep Henderson
03. Jelly Roll Morton - Black Bottom Stomp
04. Jelly Roll Morton - Wolverine Blues
05. Jelly Roll Morton - Mint Julep
06. Bix Beiderbecke & His Rhythm Jugglers - Toddlin' Blues
07. Jimmie Noone's Apex Club Orchestra - I Know That You Know
08. Bix Beiderbecke & His Orchestra - Deep Down South
09. Jimmie Noone's Apex Club Orchestra - Apex Blues
10. New Orleans Bootblacks - Mixed Salad
11. Johnny Dodds' Black Bottom Stompers - Wild Man Blues
12. Chicago Footwarmers - Ballin' A Jack
13. Hot Lips Page & His Band - Good Old Bosom Bread
14. Hot Lips Page & His Band - Lafayette
15. King Oliver's Creole Jazz Band - Snake Rag
16. King Oliver's Jazz Band - Chattanooga Stomp
17. King Oliver & His Dixie Syncopators - West End Blues
18. King Oliver & His Orchestra - New Orleans Shout
19. Jimmie Noone's Apex Club Orchestra - Oh, Sister! Ain't That Hot?
20. Bix Beiderbecke & Frankie Trumbauer & His Orchestra - Riverboat Shuffle

Tracklist CD 3
01. Artie Shaw & His Orchestra - St. James' Infirmary
02. Kid Ory & His Creole Jazz Band - Muskrat Ramble
03. Bix Beiderbecke & His Gang - Jazz Me Blues
04. Bix Beiderbecke with Frankie Trumbauer & His Orchestra - Singin' The Blues
05. Jelly Roll Morton - Shreveport Stomp
06. Bix Beiderbecke with Frankie Trumbauer and His Orchestra - Ostrich Walk
07. Ollie Powers & His Harmony Syncopators - Play That Thing
08. Jimmie Noone's Apex Jazz Orchestra - I Lost my Gal From Memphis
09. The New Orleans Bootblacks - Flat Foot
10. The New Orleans Wanderers - Too Tight Blues
11. Johnny Dodds' Washboard Band - Bucktown Stomp
12. Johnny Dodds & His Chicago Boys - Melancholy
13. Count Basie & His Orchestra - Blues With Lips
14. Hop Lips Page & His Hot Swing Seven - Uncle Sam Blues
15. King Oliver's Creole Jazz Band - Chimes Blues
16. King Oliver & His Dixie Syncopators - Black Snake Blues
17. King Oliver & His Orchestra - Rhythm Club Stomp
18. Jimmie Noone & His Orchestra - New Orleans Hop Scop Blues
19. Bix Beiderbecke & His Gang - Since My Best Girl Turned Me Down
20. Bix Beiderbecke & His Gang - At The Jazz Band Ball

blues guitar

post relacionado
blues guitar heroes



CD 1
01. Big Boy Crudup - Cry Your Blues Away
02. John Lee Hooker - Hey Boogie.mp3
03. Big Bill Broonzy - Big Billy Blues
04. T-Bone Walker - She Had To Let Me Down
05. John Lee Hooker - Down At The Landing
06. Big Bill Broonzy - It´s Your Time Now
07. Big Boy Crudup - Katie May
08. T-Bone Walker - Dream Girl Blues
09. John Lee Hooker - Bluebird
10. Big Boy Crudup - Train Fare Blues
11. John Lee Hooker - Four Woman In My Life
12. Big Bill Broonzy - Good Liquor Gonna Carry Me Down
13. T-Bone Walker - Long Skirt Baby Blues
14. Sonny Terry & Brownie Mc Ghee - Baby Let´s Have
15. John Lee Hooker - Blue Monday
16. Big Bill Broonzy - You Do Me Any Old Way

CD 02
01. John Lee Hooker - House Rent Boogie
02. Big Boy Crudup - Roberta Blues
03. T-Bone Walker - Call It Stormy Monday But Tuesday
04. Big Bill Broonzy - Come Home Early
05. John Lee Hooker - Everybody´s Blues
06. Big Boy Crudup - Gonny Be Some Changes Made
07. T-Bone Walker - T - Bone Jumps Agan
08. Big Bill Broonzy - I Can´t Make You Satisfied
09. T-Bone Walker - I´m Gonna Find My Baby
10. Big Bill Broonzy - Jivin´ Mr. Fuller Blues
11. T-Bone Walker - Hard Pain Blues
12. John Lee Hooker - Catfish
13. T-Bone Walker - No Worry Blues
14. John Lee Hooker - Blues For Big Town
15. Sonny Terry & Brownie Mc Ghee - Lonesome Room
16. John Lee Hooker - Ground Hog

CD 03
01. Big Boy Crudup - Crudup´s Vicksburg Blues
02. T-Bone Walker - Don´t Give Me The Runaround
03. Big Bill Broonzy - Horny Frog
04. John Lee Hooker - Find Me A Woman
05. Big Boy Crudup - You Got To Reap
06. John Lee Hooker - Apologize
07. Big Bill Broonzy - I Want To Go Home
08. T-Bone Walker - I Know Your Wig Is Gone
09. Big Boy Crudup - Hoodoo Lady Blues
10. T-Bone Walker - On Your Way Blues
11. Big Bill Broonzy - Plow Hand Blues
12. T-Bone Walker - Triffin´woman Blues
13. John Lee Hooker - Guitar Lovin´ Man
14. Sonny Terry & Brownie Mc Ghee - Man Ain´t Nothin'
15. T-Bone Walker - Lonesome Woman Blues
16. John Lee Hooker - Do My Baby Think Of Me



blues guitar (2005)

Blues Guitar (2005)
CD 1    CD 2    CD 3


t-bone walker - lonesome woman blues




camel

camelAs raízes de ‘Camel’ podem ser encontradas em 1964, quando os irmãos Andrew e Ian Latimer reuniram-se com os amigos Alan Butcher e Richard Over para formar o ‘The Phantom Four’. Logo a banda adquiriu notoriedade local e o guitarrista Graham Cooper substituiu Richard Over e o nome da banda mudou para ‘Strange Brew’. Tocavam covers até 1968 quando Ian Latimer saiu para casar e logo depois Graham Cooper fez o mesmo. Andrew Latimer e Alan Butcher então colocaram um anúncio no jornal à procura de um baixista e Doug Ferguson respondeu e na audiência impressionou com a sua Fender. Assim, sob a influência do blues, em 1969, o guitarrista, flautista e vocalista Andrew Latimer com 22 anos, o baixista Doug Ferguson de apenas 14 anos e o baterista Andy Ward encurtaram o nome da banda para ‘The Brew’. Em 1970, ao trio juntou-se o tecladista Phillip Goodhand que mudou o nome da banda para ‘Tait’.

The Phantom Four 64-68No final do mesmo ano, Phillip saiu da banda e em 1971, Peter Bardens, também tecladista, veio fazer parte do trio de órfãos. Bardens tocou com Peter Green, Mick Fleetwood, e também com o lendário Van Morrison. O novo quarteto formado em Surrey, um condado situado ao sul da Inglaterra, escolheu o nome de ‘Camel’ e se apresentou como banda de apoio para ‘Wishbone Ash’, famosa no rock britânico no início da década de 70. Apesar de muitos lançamentos de álbuns a partir de 1972, ‘Camel’ nunca alcançou a devida popularidade como outras bandas britânicas de rock progressivo da época, como ‘Alan Parsons Project’ por exemplo. Ao longo de sua existência de 40 anos, tanto escalou as alturas da fama, como desceu às profundezas do inferno, principalmente devido ao escárnio da mídia especializada.

camel - Peter BardensComo tantas outras, ‘Camel’ nunca se curvou às exigências comerciais das gravadoras e durante todos esses anos, através de diferentes integrantes, continuou a produzir a sua própria marca original e cultivou uma legião de fãs dedicados. E durante esses anos Andrew Latimer manteve a liderança da banda. No final de 1973, o grupo lançou ‘Camel’ seu álbum de estréia. Em 1974, a banda mudou de rótulo e gravou ‘Mirage’. A capa inspirada em um maço de cigarros homônimo atraiu a não desejada atenção da empresa americana, que obrigou a mudança da capa, caso contrário, iria processar a banda e Peter Bardens sarcasticamente renomeou a música título para ‘Twenty Sticks of Cancer’, e por ironia do destino Peter veio a falecer de câncer no pulmão anos mais tarde. Como resultado de um acordo comercial a gravadora rapidamente desenvolveu uma nova capa muito parecida com o maço do cigarro Camel. O álbum é um dos mais lembrados do grupo e é também uma vitrine para a flauta de Andrew Latimer, principalmente em ‘Supertwister’.

the brew 1969Em 1975, veio o primeiro álbum de sucesso, que entrou nas paradas britânicas. A banda decidiu gravar um álbum conceitual baseado na história de algum livro. O baixista Doug Ferguson sugeriu ‘The Snow Goose’ de Paul Gallico. A história gira em torno de Rhayader, um faroleiro deformado que vive em um canto remoto da Inglaterra. Mantido à distância pelos moradores ele faz amizade com a menina Fritha que traz em seus braços um ganso canadense ferido por caçadores. Os três tornam-se amigos e são enredados à brutalidade da guerra. O álbum é totalmente instrumental, pois, originalmente o planejado era inserir trechos do livro, mas a banda não conseguiu obter permissão de Gallico. A guitarra e o trabalho de Latimer recorda ‘Genesis’ ou ‘Pink Floyd’, mas com mais flauta. ‘Moonmadness’ de 1976, foi mais bem sucedido nos Estados Unidos. Depois desse álbum o baixista Doug Ferguson deixou a banda e foi substituído por Richard Sinclair ao mesmo tempo em que o grupo adicionou o saxofonista Mel Collins.

A tensão entre Latimer e Bardens durante a gravação de ‘Rain Dances’ de 1977 resultou em conflito e Bardens deixou a banda logo após ‘Breathless’ de 1978. E antes da banda gravar o próximo álbum, Bardens foi substituído por dois tecladistas: Kit Watkins e Jim Schelhaas e o baixista Sinclair por Colin Bass. Em 1979 o rock’n’roll tinha sido alterado com o surgimento do punk rock, que resultou em uma diminuição do interesse pelo rock progressivo e consequentemente na venda de discos. E ‘I Can See Your House From Here’ recebeu menos atenção do que qualquer dos lançamentos da banda desde a sua estréia.

camel - 1976Latimer voltou a escrever álbuns conceituais e em 1981 foi gravado ‘Nude’ que descreve a história de um soldado esquecido em uma ilha durante a Segunda Guerra Mundial. Tanto a gravação deste álbum quanto a turnê mundial tiveram um efeito destrutivo na banda: Andy Ward sucumbiu ao álcool e as drogas e tentou o suicídio. Ele foi salvo, mas a gravadora, no entanto, não estava interessada nos problemas internos da banda e queria que o contrato fosse cumprido. Com a ajuda de vários músicos foi gravado ‘The Single Factor’ que também falhou na tentativa de ser mais acessível. Andy Ward após quase 13 anos deixou a banda definitivamente. ‘Stationary Traveller’ de 1984 foi outro álbum conceitual.

camel - Andrew LatimerApós o lançamento do álbum ao vivo, ‘Pressure Points’, de 1984, ‘Camel’ entrou num longo período de hibernação que durou até o início dos anos 90. Já em 1985, a gravadora tinha retirado a banda de sua lista e Latimer não foi capaz de encontrar um novo rótulo, por estar envolvido em uma difícil batalha juridica com o ex-empresário Geoff Jukes. Finalmente a banda ganhou a ação no final dos anos 80. Durante esse período, não foi produzida nenhuma música nova. Em 1988, Latimer vendeu sua casa na Inglaterra e se mudou para a Califórnia, onde fundou o selo independente ‘Camel Productions’ e ‘Dust and Dreams’ foi o seu primeiro lançamento em 1991. E seguiram-se várias turnês com outros componentes. Em 2002, o primeiro tecladista do ‘Camel’, Peter Bardens, morreu de câncer no pulmão. Além de uma fértil carreira solo, Bardens esteve envolvido com vários outros projetos de rock progressivo. Através da empresa ‘Camel Productions’, Andrew Latimer permanece vivo e bem.

camel - mother road


camel - echoes (1993)

Echoes (1993)
CD 1    CD 2

Tracklist CD 1
01. Never Let Go (Camel - 1973)
02. Freefall (Mirage - 1974)
03. Lady Fantasy: Encounter/Smiles For You/Lady Fantasy (Mirage - 1974)
04. Rhayader (The Snow Goose - 1975)
05. Rhayader Goes To Town (The Snow Goose - 1975)
06. Song Within a Song (Moonmadness - 1976)
07. Air Born (Moonmadness - 1976)
08. Lunar Sea (Moonmadness - 1976)
09. Unevensong (Rain Dances - 1977)
10. Tell Me (Rain Dances - 1977)
11. Elke (Rain Dances - 1977)
12. Skylines (Rain Dances - 1977)

Tracklist CD 2
01. Breathless (Breathless - 1978)
02. Echoes (Breathless - 1978)
03. The Sleeper (Breathless - 1978)
04. Your Love is Stranger than Mine (I Can See Your House From Here - 1979)
05. Hymn To Her (I Can See Your House From Here - 1979)
06. Ice (I Can See Your House From Here - 1979)
07. Drafted (Nude - 1981)
08. Lies (Nude - 1981)
09. Sasquatch (The Single Factor - 1982)
10. You Are The One (The Single Factor - 1982)
11. Refugee (Stationary Traveller - 1984)
12. West Berlin (Stationary Traveller - 1984)
13. Mother Road (Dust And Dreams - 1991)
14. Whispers In The Rain (Dust And Dreams - 1991)

Rainbow's End: Anthology 1973-1985 (2010)

Rainbow's End: Anthology 1973-1985 (2010)
CD 1    CD 2    CD 3    CD 4

Tracklist CD 1
01. Slow Yourself Down (Camel - 1973)
02. Never Let Go (Camel - 1973)
03. Curiosity (Camel - 1973)
04. Mystic Queen (Camel - 1973)
05. Nimrodel /The Procession /The White Rider (Mirage - 1974)
06. Freefall (Mirage - 1974)
07. Earthrise (Mirage - 1974)
08. Lady Fantasy (Original Mix)
09. Liggmg At Louis (A Live Record - 1978)
10. Arabaluba (Camel - 1973)
11. Supertwister (Mirage - 1974)

Tracklist CD 2
01. Homage To The God Of Light (Marquee Club - 1974)
02. The Great Marsh (The Snow Goose - 1975)
03. Rhayader (The Snow Goose - 1975)
04. Rhayader Goes To Town (The Snow Goose - 1975)
05. Preparation (The Snow Goose - 1975)
06. Dunkirk (The Snow Goose - 1975)
07. Aristillus (Moonmadness - 1976)
08. A Song Within A Song (Moonmadness - 1976)
09. Air Born (Moonmadness - 1976)
10. Spirit Of The Water (Moonmadness - 1976)
11. Chord Change (Moonmadness - 1976)
12. Another Night (Moonmadness - 1976)
13. First Light (Rain Dances - 1977)
14. Elke (Rain Dances - 1977)

Tracklist CD 3
01. Tell Me (Rain Dances - 1977)
02. Metrognome (Rain Dances - 1977)
03. Unevensong (Rain Dances - 1977)
04. Lunar Sea (Moonmadness - 1976)
05. Rain Dances (Rain Dances - 1977)
06. Echoes (Breathless - 1978)
07. Starlight Ride (Breathless - 1978)
08. Breathless (Breathless - 1978)
09. Rainbow's End (Breathless - 1978)
10. Survival (I Can See Your House From Here - 1979)
11. Hymn To Her (I Can See Your House From Here - 1979)
12. Ice (I Can See Your House From Here - 1979)
13. City Life (Nude - 1981)
14. Nude (Nude - 1981)
15. Drafted (Nude - 1981)
16. Lies (Nude - 1981)

Tracklist CD 4
01. Docks (Nude - 1981)
02. Beached (Nude - 1981)
03. Captured (Nude - 1981)
04. Summer Lightning (Breathless - 1978)
05. Sasquatch (The Single Factor - 1982)
06. Heroes (The Single Factor - 1982)
07. Selva (The Single Factor - 1982)
08. A Heart's Desire (The Single Factor - 1982)
09. End Piece (The Single Factor - 1982)
10. In The Arms Of Waltzing Fraulines (Stationary Traveller - 1984 Bonus Tracks)
11. Cloak And Dagger Man (Stationary Traveller - 1984)
12. Stationary Traveller (Stationary Traveller - 1984)
13. Long Goodbyes (Stationary Traveller - 1984)
14. Pressure Points (Stationary Traveller - 1984)
15. West Berlin (Stationary Traveller - 1984)
16. Fingertips (Stationary Traveller - 1984)
17. Rhayader (The Snow Goose - 1975)
18. Rhayader Goes To Town (The Snow Goose - 1975)

iggy pop

iggy pop - copenhagen 1978No final dos anos 60, lggy Pop se tornou cult como membro dos ‘Stooges’, uma banda de rock conhecida por suas guitarras ensurdecedoras e atitude de desprezo pelas convenções, verdades absolutas, normas e preceitos morais. Uma banda niilista que influenciou gerações posteriores. Depois da banda dissolvida no início de 1970, Pop gravou uma série de álbuns solo. Colaborou com David Bowie em canções como ‘Nightclubbing’ e ‘Lust for Life’. Para muitos Iggy é uma descoberta de David Bowie. E há quem afirme que o alienígena andrógino pop star Ziggy Stardust, criação de Bowie, não existiria sem Iggy Pop. Em 1982 ele publicou sua autobiografia, ‘I Need More’ que inclui uma seleção de fotografias em preto e branco e com o prefácio escrito por Andy Warhol. E reapareceu no rock em 1986 com seu primeiro single, ‘Real Wild Child’. Iggy Pop tocou rockn’n’roll por mais de 40 anos com altos e baixos nessas quatro décadas sem perder a capacidade para a loucura furiosa e primal que separa o rock’n’roll das coisas comuns. Nos palcos, Iggy Pop sempre chocou ao cortar a pele com cacos de vidro. Entre gritos estridentes e contorções, a mania de se lambuzar com pasta de amendoim e passar carne crua pelo corpo fizeram dele um dos personagens mais excêntricos do punk.

iggy pop - iguanasNascido em 1947, em Muskegon, Michigan, James Newell Osterberg Junior era filho de Louella Christensen, controladora de vôo, descendente de noruegueses e finlandeses e do professor James Newell Osterberg, de descendência irlandesa e inglesa, que havia sido adotado quando menino por uma família sueca que foi morar nos Estados Unidos. A infância de Iggy foi vivida na cidade industrial de Ypsilanti, Ann Arbor. Seu pai descrito mais tarde por Iggy como esquisito e socialista era avesso a ter vizinhos, portanto, a família vivia em um trailer perto da Universidade de Michigan. Ann Harbor era uma cidade estudantil próxima a Detroit e devido a poluição o pequeno James sofria de bronquite e asma, e uma de suas mágoas era que seu pai, por causa de sua doença, jamais o deixou jogar nenhum esporte coletivo, principalmente baseball, sua grande paixão. Foi cursando a escola que ele sentiu o preconceito dos meninos ricos que o julgavam pela aparência modesta e o ridicularizavam por morar em um trailer. Fato que machucou muito Iggy Pop e o ensinou a desconfiar de gente com melhor situação financeira.

iggy pop - the stoogesBom aluno mostrou ser também um bom orador quanto escrever tão bem que alguns de seus poemas foram publicados em revistas estudantis. Foi também nesta fase que a música entrou definitivamente em sua vida com a descoberta dos sons em um passeio com a escola por Detroit, centro automobilístico do país. O passeio foi visitar uma fábrica e o barulho da maquinaria fazendo pára-choques fez o coração de James bater mais forte. Iggy Pop jamais esqueceu a violência do som do ferro contra o ferro e o eco subseqüente. E todos os sons passaram a chamar a sua atenção, desde o aquecedor elétrico do trailer até o barbeador elétrico do seu pai. Sons que o provocaram a ser baterista.

iggy popPassou aos sons da música dos anos 50 e 60. Eclético, ouvia jazzistas como John Coltrane, Frank Sinatra e grupos vocais de negros, uma influência da vizinha Detroit. Intrigado com o rock’n’roll de Jerry Lee Lewis, Carl Perkins e Elvis Presley influências de todo garoto da época, começou a tocar bateria e formou, ainda no colégio, a sua primeira banda, os ‘Iguanas’, com seu colega de classe Jim McLaughlin que tocava violão que chamou seu vizinho Sam Swisher que tocava saxofone. Com os ‘Rolling Stones’, descobriu o blues de Howlin' Wolf e Muddy Waters influências de Chicago que não ficava muito longe e formou, após terminar o colegial em 1965, uma banda com estilo semelhante, a ‘The Prime Movers’. Abandonou a Universidade de Michigan e se mudou para Chicago onde tocou bateria ao lado dos grandes mestres do blues da cidade. Porém, seu coração ficou com o rock’n’roll, e decidiu deixar a bateria para trás e ser o vocalista de uma banda, inspirando-se em Jim Morrison do ‘The Doors’ e Lou Reed do ‘Velvet Underground’, aliás, inspiração também para David Bowie. Iggy Pop tentou encontrar músicos que partilhassem da sua visão musical: criar uma banda cuja música fosse agressiva e sexual. Em 1967, juntou-se a um velho conhecido de seus dias de escola, o guitarrista Ron Asheton, que também trouxe seu irmão, o baterista Scott e o baixista Dave Alexander, formando assim o ‘Psychedelic Stooges’ que experimentava instrumentos não tradicionais, como tambores de óleo vazios e outros objetos antes de voltarem aos seus respectivos instrumentos.

O nome do grupo foi encurtado para ‘Stooges’, e James Newell Osterberg tornou-se o frenético Iggy Pop e ‘The Stooges’ uma das principais bandas da época. A ‘Elektra Records’ assinou contrato com o quarteto em 1968, lançando o álbum auto-intitulado, e depois ‘Fun House’, em 1970. Embora os dois tivessem pouca vendagem após o lançamento, eles se tornaram clássicos do rock, e podem ser apontados como catalisadores oficiais para o que mais tarde viria a ser o punk rock. A gravadora rompeu com a banda em 1971, devido ao desinteresse do público e ao vício crescente dos integrantes nas drogas o que levou os ‘Stooges’ ao rompimento no mesmo ano por causa da internação de Iggy para tentar livrar-se da heroína. Um dos fãs mais célebres da banda, David Bowie, convenceu Iggy Pop a reiniciar a sua carreira. Pop recrutou o guitarrista James Williamson que foi por um breve período um segundo guitarrista dos ‘Stooges’ antes de sua dissolução, e a dupla se mudou para a Inglaterra, e se reuniu novamente aos irmãos Asheton e sob orientação de Bowie gravaram ‘Raw Power’, que fez sucesso.

iggy pop 5A nova formação durou pouco e a volta de Iggy às drogas fez com que cada um seguisse carreira solo. Depois de passar um breve período como sem-teto nas ruas de Hollywood, durante o qual houve uma tentativa frustrada de formar uma banda pop com o ex-tecladista Ray Manzarek do ‘The Doors’, Iggy Pop se internou no Instituto Neuropsiquiátrico, em Los Angeles. E contou com as visitas de David Bowie durante 1975 e 1976. Em 1977, mais uma vez com a ajuda do amigo, lançou ‘The Idiot’, seu primeiro trabalho solo com composições poéticas sobre a glória e a decadência. O disco incluiu ‘China Girl’, que mais tarde seria um sucesso de Bowie no álbum ‘Let's Dance’, de 1983. ‘Lust for Life’, de 1977, seguiu as mesmas características. Na época, Bowie tinha se interessado por rock eletrônico e mais tarde admitiu que ‘usou’ Iggy Pop como cobaia musical nos dois álbuns produzidos e co-escritos por ele.

Sendo considerado o pai do punk, nos anos 80 Iggy Pop foi convidado para participar de filmes como ‘Sid and Nancy’, ‘The Color of Money’ e ‘Cry-Baby’. Em 1986, com a participação de Steve Jones, ex-guitarrista do ‘Sex Pistols’, lançou ‘Blah Blah Blah’ que o tornou mais acessível ao público. ‘Instict’ lançado em 1988, foi uma tentativa de voltar a fazer sucesso com os amantes do punk. Aproveitando a onda de sucesso Iggy Pop tornou-se um grande ícone do rock. Em 2003, quando gravou com sua nova banda ‘The Trolls’, convidou os irmãos Asheton para gravarem algumas faixas para seu novo álbum. Em 2010, Iggy Pop e sua banda ‘The Stooges’ foram introduzidos no ‘Rock and Roll Hall of Fame’.

‘Nude & Rude: The Best of’ com excelentes 17 faixas é uma visão geral da carreira de Iggy Pop a partir dos ‘Stooges’ até os anos 90 com exceção dos álbuns ‘The Idiot’, ‘Lust for Life’ e ‘Brick by Brick’. Com uma carreira solo que decididamente foi desigual e com alguns álbuns até maçantes, ‘Nude & Rude’ faz um ótimo trabalho de selecionar os melhores momentos de sua carreira solo, bem como muitas das melhores faixas com os ‘Stooges’, proporcionando assim uma perfeita introdução para quem não conhece a música de Iggy. Apesar de alguns itens essenciais da banda estarem faltando, ‘I Wanna Be Your Dog’, ‘No Fun’, ‘Search and Destroy’, ‘Gimme Danger’, ‘I'm Sick of You’ e ‘Kill City’, representam os ‘Stooges’, e todas as faixas essenciais da carreira solo estão aqui, incluindo ‘Funtime’, ‘Nightclubbing’, ‘China Girl’, ‘Lust for Life’, ‘Real Wild Child’, ‘Cold Metal’, ‘Candy’ e ‘Home’.

Iggy Pop - Nude & Rude (The Best Of) (1996)

Nude & Rude (1996)
(The Best Of)

Tracklist
01. I Wanna Be Your Dog 02. No Fun 03. Search and Destroy 04. Gimme Danger 05. I’m Sick of You 06. Funtime 07. Nightclubbing 08. China Girl 09. Lust for Life 10. Passenger 11. Kill City 12. Real Wild Child 13. Cry for Love 14. Cold Metal 15. Candy 16. Home 17. Wild America

‘A Million in Prizes: The Anthology’ oferece um olhar preciso e convincente na linha do tempo do seu trabalho com os ‘Stooges’ e material solo que segue como uma montanha russa através de seus esforços desesperados para encontrar a sua identidade na década de 80 e seu reaparecimento no novo milênio como um artista que pode mesclar cérebro e músculo como força igual.

Iggy Pop - A Million In Prizes: The Anthology (2005)

A Million In Prizes: The Anthology (2005)
CD 1    CD 2

Tracklist CD 1
01. 1969 (The Stooges) 02. No Fun (The Stooges) 03. I Wanna Be Your Dog (The Stooges) 04. Down On The Street (The Stooges) 05. I Got A Right! (The Stooges) 06. Gimme Some Skin (The Stooges) 07. I'm Sick of You (The Stooges) 08. Search And Destroy (The Stooges) 09. Gimme Danger (The Stooges) 10. Raw Power (The Stooges) 11. Kill City (with James Williamson) 12. Nightclubbing (Iggy Pop) 13. Funtime (Iggy Pop) 14. China Girl (Iggy Pop) 15. Sister Midnight (Iggy Pop) 16. Tonight (Iggy Pop)17. Success (Iggy Pop) 18. Lust For Life (Iggy Pop) 19. The Passenger (Iggy Pop)

Tracklist CD 2
01. Some Weird Sin (Iggy Pop) 02. I'm Bored (Iggy Pop) 03. I Need More (Iggy Pop) 04. Pleasure (Iggy Pop) 05. Run Like A Villain (Iggy Pop) 06. Cry For Love (Iggy Pop) 07. Real Wild Child (Wild One) (Iggy Pop) 08. Cold Metal (Iggy Pop) 09. Home (Iggy Pop) 10. Candy (with Kate Pierson) 11. Well Did You Evah! (with Debbie Harry) 12. Wild America (Iggy Pop) 13. TV Eye (Live Felle Festival, Ireland 1993) 14. Loose (Live Felle Festival, Ireland 1993) 15. Look Away (Iggy Pop) 16. Corruption (Iggy Pop) 17. I Felt The Luxury (with Medeski Martin and Wood) 18. Mask (Iggy Pop) 19. Skull Ring (Iggy Pop)

Este é mais um capítulo em compilações da etiqueta ‘Cleopatra Records’ do lendário artista. O primeiro disco com os ‘Stooges’, e o segundo como artista solo. Incluindo as duas faixas que são exclusivas do rótulo para esta compilação: a primeira é a versão de James Williamson, guitarrista de 1971 a 1974 dos ‘Stooges’ da ‘The Ballad of Hollis Brown’ de Bob Dylan; e a outra é uma versão deliberadamente horrível, exagerada de Iggy Pop em ‘White Christmas’.

Iggy Pop - Anthology Box  The Stooges & Beyond (2010)

Anthology Box The Stooges & Beyond (2010)
CD 1    CD 2

Tracklist CD 1
01. Thight Pants 02. Gimme Some Skin 03. Cock In My Pocket 04. The Ballad Of Hollis Brown 05. Head On 06. Fire Engine 07. Jesus Loves The Stooges 08. Rubber Legs 09. Im Sick Of You 10. Louie, Louie 11. Money 12. Purple Haze 13. Im A Man 14. Scene Of The Crime 15. Im So Glad 16. I Got A Right 17. Johanna

Tracklist CD 2
01. Lust For Life 02. The Passenger 03. China Girl 04. Real Wild Child (Live) 05. Nightclubbing (Live) 06. Family Affair 07. 1969 (Live) 08. Dum Dum Boys 09. Raw Power (Live) 10. Gimme Danger (Live) 11. Baby 12. 5 Foot 1 (Live) 13. I Wanna Be Your Dog (Live) 14. I Need Somebody (Live) 15. Search N Destroy (Live) 16. Sister Midnight (Live) 17. No Fun (Live) 18. White Christmas

iggy pop - real wild child



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...