CTI records: the cool revolution

CTI recordsA ‘CTI Records’ (Creed Taylor Incorporated) foi uma gravadora de jazz fundada em 1967 por Creed Taylor. Em 1970, o visionário produtor montou e desenvolveu uma lista histórica de artistas, apoiados por uma equipe criadora, chefiada pelo engenheiro de som Rudy Van Gelder. Inicialmente foi uma filial da ‘A&M Records’ e Don Sebesky, trombonista de jazz, foi o criador dos muitos arranjos para o rótulo, mais tarde se juntou a ele Bob James e, em seguida, em meados dos anos 70, David Matthews. Cada sessão contava com alguns dos melhores do jazz, o baixista Ron Carter, o guitarrista Eric Gale, organista Richard Tee e, nos primeiros anos, Herbie Hancock foi frequente ao piano. A ‘CTI Records’ trabalhou quase como uma companhia teatral, em que grandes músicos se revezavam no centro das atenções e acompanhavam uns aos outros. Os álbuns criados estabeleceram novos padrões e o sucesso imediato das gravações ecoou através das décadas, como uma profunda influência no jazz, pop, R&B e hip-hop. Suas produções para a ‘CTI Records’ ajudaram a estabelecer o ‘smooth jazz’ como um gênero musical comercialmente viável. O rótulo também se tornou conhecido pelas suas capas marcantes, algumas delas com imagens fotográficas de Pete Turner.

Creed TaylorCreed Taylor já era importante na indústria da gravação a algum tempo. Ele tocou trompete antes de se tornar o chefe da ‘A&R Records’, em 1954, e durante dois anos registrou artistas como Carmen McRae e Charles Mingus entre outros. Em 1956, mudou para a ‘ABC-Paramount’, e em 1960 fundou a sua subsidiária ‘Impulse Records’. Apesar de ter assinado com John Coltrane para a gravadora, mudou para a ‘Verve Records’. Em 1970, na 'CTI Records' teve grande sucesso em equilibrar o artístico com o comercial. Entre os artistas que gravaram alguns de seus melhores trabalhos com Taylor durante este período foram Freddie Hubbard, Stanley Turrentine, George Benson e Hubert Laws. No entanto, as grandes gravadoras começaram a atrair os artistas de Taylor e embora ele fosse capaz de gravar com Chet Baker, Art Farmer e Yusef Lateef, problemas financeiros forçaram a gravadora à falência em 1978, que foi posteriormente adquirida pela Columbia. É lamentável que Creed Taylor tenha sido responsabilizado pelo fim da gravadora apesar da evidente traição de Hubbard, Turrentine, Benson e Laws cujos discos foram bastante inferiores nos outros rótulos às jóias gravadas para a CTI. Depois de anos fora da cena, Taylor fundou uma nova CTI na década de 1990, que não conseguiu estabelecer a sua própria identidade como a antecessora.

Remasterizados pela primeira vez com os mestres originais este conjunto de quatro CDs celebra os anos de ouro da CTI, quando um estilo distinto nasceu. Cada disco representa um aspecto da personalidade artística da gravadora. Uma compilação simples que consiste em quatro discos temáticos, centrando-se nos anos da independente e próspera gravadora entre os de 1970 a 1976. O primeiro disco, ‘Straight Up’, não é nada se não jazz e destaca os puristas. O disco dois, ‘Deep Grooves / Big Hits’, apresenta algumas das reinterpretações mais notáveis da etiqueta e os cruzamentos criativos, incluindo o brasileiro Eumir Deodato na versão do poema sinfônico de Richard Strauss, ‘Also Sprach Zarathustra’ e a assombrosa e sensual interpretação de Esther Phillips em ‘What A Difference A Day Makes'. O disco três preserva o legado de Creed Taylor como a pessoa que trouxe a música brasileira para os EUA, quando ele estava com a ‘Verve Records’ nos anos 60. Lançamentos de Antonio Carlos Jobim, Astrud Gilberto, Eumir Deodato e Airto Moreira são exibidos, enquanto Turrentine na versão de ‘Salt Song’ de Milton Nascimento é acompanhado por uma orquestra arranjada por Eumir Deodato. Muito jazz cool e clássicos no quarto disco enfatizam a ligação da etiqueta com o passado e que alcançou relevância contemporânea.

esther phillips - what a difference a day makes


CTI Records: The Cool Revolution (2010)

CTI Records: The Cool Revolution (2010)
CD 1    CD 2    CD 3    CD 4

CD 1: Straight Up
01. Stanley Turrentine - Sugar
02. Hubert Laws - Moment's Notice
03. Ron Carter - So What
04. Chet Baker - Autumn Leaves
05. Stanley Turrentine with Milt Jackson - Speed Ball
06. Freddie Hubbard - The Intrepid Fox
07. Randy Weston - Ifrane
08. Don Sebesky featuring Freddie Hubbard & Grover Washington Jr. - Free as a Bird
09. George Benson - So What

CD 2: Deep Grooves/Big Hits
01. Freddie Hubbard - Red Clay
02. Johnny Hammond - It's Too Late
03. Esther Phillips - Home Is Where the Hatred Is
04. Hank Crawford - We Got A Good Thing Going
05. George Benson - White Rabbit
06. Hubert Laws - Fire and Rain
07. Esther Phillips - What A Difference A Day Makes
08. Joe Farrell - Follow Your Heart
09. Deodato - Also Sprach Zarathustra (2001)
10. Grover Washington Jr. - Mister Magic

CD 3: The Brazilian Connection
01. Antonio Carlos Jobim - Stone Flower
02. Astrud Gilberto with Stanley Turrentine - Ponteio
03. Freddie Hubbard - First Light
04. Stanley Turrentine - Salt Song
05. Hubert Laws - Pensativa
06. Airto - Tombo In 7/4
07. Milt Jackson - Sunflower
08. Airto - Return To Forever
09. Paul Desmond - Wave
10. Deodato - Carly & Carole
11. Antonio Carlos Jobim - Brazil [Alternate Take]

CD 4: Cool and Classic
01. Gerry Mulligan & Chet Baker - My Funny Valentine
02. Ron Carter - All Blues
03. Don Sebesky featuring Paul Desmond - Song To A Seagull
04. Hubert Laws - Pavane
05. Chet Baker - What'll I Do
06. Bob James - Westchester Lady
07. Kenny Burrell - A Child Is Born
08. George Benson - Take Five
09. Jim Hall - Concierto De Aranjuez

3 comentários:

fluxo coletivo disse...

estou seguindo a poucos dias esse site, e estou percebendo que ele será minha fonte musical!
marrrravilha!!
=)

Murilo Barbosa disse...

Nunca ninguém dá bola pras gravadoras ou produtores de jazz, que bom texto esse.

mara* disse...

É verdade Murilo. E o que seria de nós, amantes da música, se não fossem os irmãos Leonard e Philip da 'Chess Records' e Creed Taylor?

Um abraço

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...